Lai Ching-te: o filho de mineiro que chegou a presidente de Taiwan

Filho de um mineiro de carvão, Lai Ching-te assume hoje a liderança de Taiwan, com a tarefa de navegar no crescente fosso com uma China cada vez mais assertiva sobre a posse deste território. Aos 64 anos, chegou à presidência nas eleições de janeiro com a promessa de que defenderia a democracia da ilha e resistiria às reivindicações de Pequim.

por Gonçalo Lopes

O até agora vice-presidente definiu a sua vitória, que proporcionou um terceiro mandato consecutivo sem precedentes para o Partido Democrático Progressista (DPP), como uma mensagem clara para a China de que os habitantes de Taiwan “rejeitaram o autoritarismo”. “A nossa democracia está constantemente sob a pressão da desinformação estrangeira, das ameaças militares e da coerção económica”, disse recentemente o presidente eleito, também conhecido como William Lai, referindo ainda que “a coerção da China apenas reforçou a nossa determinação de permanecermos democráticos e livres. Recusamo-nos a submeter-nos ao medo”. Lai prometeu continuar as políticas da presidente cessante, Tsai Ing-wen, de desenvolver as capacidades militares de Taiwan como forma de dissuasão contra uma potencial invasão da China.

A sua franqueza, que conseguiu moderar nos últimos anos, atraiu a ira de Pequim. A China considera-o um “trabalhador obstinado” pela independência de Taiwan e um “sabotador da paz”, alertando que este político de falas mansas será a causa da “guerra e do declínio” da ilha.

Leia mais em Diário de Notícias

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!