Rebeldes Huthis do Iémen reivindicam novo ataque contra navio dos EUA

Os rebeldes Huthis do Iémen anunciaram hoje que voltaram a atacar um navio militar dos Estados Unidos no golfo de Aden, a sul do mar Vermelho, no domingo à noite, algo não confirmado por Washington.

por Gonçalo Lopes

O porta-voz militar dos Huthis disse que os rebeldes lançaram “um míssil naval (…) contra um navio da Marinha dos EUA, Lewis B Puller, enquanto navegava no golfo de Aden”, de acordo com uma mensagem divulgada na rede social X (antigo Twitter).

Yehya Sarea alegou que o navio estava encarregado de fornecer “apoio logístico” às forças norte-americanas nas operações contra as posições Huthis.

O porta-voz garantiu que os iemenitas vão continuar a realizar este tipo de ações contra navios dos EUA e do Reino Unido devido aos recentes bombardeamentos de posições dos Huthis e pelo apoio à ofensiva de Israel na Faixa de Gaza.

O Comando Central dos Estados Unidos (Centcom) disse ter atingido, no sábado, um míssil antinavio dos Huthis, “pronto para ser lançado”, em direção ao mar Vermelho.

No mesmo dia, o líder do Conselho Presidencial do Iémen apelou ao apoio dos Estados Unidos e da Arábia Saudita “para eliminar” a capacidade dos rebeldes Huthis de realizarem ataques a navios, defendendo que as operações defensivas realizadas até agora não chegam.

“As operações defensivas não são a solução”, disse Rashad al-Alimi, numa conferência de imprensa em Riade, citado pela agência de notícias France-Presse, referindo-se aos ataques norte-americanos e britânicos contra os rebeldes iemenitas.

“A solução é eliminar as capacidades militares dos Huthis”, defendeu.

Desde novembro que os rebeldes iemenitas Huthis têm atacado, no mar Vermelho e no golfo de Aden, navios que consideram ligados a Israel, “em solidariedade” com os palestinianos de Gaza, afetados pela guerra entre o Exército israelita e o movimento islamita palestiniano Hamas.

Em janeiro, perante o aumento dos ataques no mar Vermelho, os Estados Unidos, por vezes com o aliado Reino Unido, começaram a lançar ataques contra posições Huthis no Iémen, “para proteger” o tráfego marítimo dos ataques dos rebeldes, apoiados pelo Irão.

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!