NATO prepara maior exercício em décadas na primeira metade de 2024

A NATO vai realizar um dos maiores exercícios das últimas décadas com a presença dos 31 países que compõem a Aliança Atlântica no ano do 75.⁰ aniversário da organização.

por Nelson Moura

Em abril a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), da qual Portugal é um dos 12 países fundadores, comemora 75 anos e ao longo do ano vai realizar os maiores exercícios das últimas décadas, com a participação dos 31 Estados-membros – incluindo a Finlândia, o último país a aderir – para colocar em marcha os planos de Defesa acordados durante 2023 e para fazer uma demonstração de força à Rússia, que ameaça as fronteiras de uma parte dos Estados-membros com a invasão à Ucrânia, há dois anos – país que também quer aderir à NATO.

A notícia foi avançada à agência noticiosa Europa Press e coincide com o anúncio, feito hoje pelo Reino Unido, de enviar 20.000 militares para o Leste do território europeu. A próxima grande missão da Aliança Atlântica é a “Steadfast Defender”, prevista para a primeira metade do ano, e fontes da NATO apelidaram o exercício de uma simulação de uma guerra contra a Rússia.

Em simultâneo, os países da NATO querem demonstrar unidade, numa altura em que essa noção é ameaçada pelas eleições norte-americanas, previstas para novembro, e posições dissonantes em relação ao apoio à intervenção militar de Israel (que não faz parte da NATO) no território palestiniano.

Será também um ano de transição com a saída de Jens Stoltenberg, antigo primeiro-ministro norueguês, do cargo de secretário-geral da NATO.

Uma eventual reeleição do republicano Donald Trump pode também diminuir a força da organização, já que o antigo Presidente dos Estados Unidos da América ameaçou durante o seu mandato abandonar a Aliança Atlântica e tem posições dúbias no relacionamento com Moscovo, numa altura em que os 31 países da NATO querem mostrar que apoiam inequivocamente a Ucrânia na defesa contra a invasão que começou há praticamente dois anos.

Até hoje, só Londres anunciou o contingente que vai enviar para o “Steadfast Defender”, mas os restantes Estados-membros deverão fazê-lo ao longo das próximas semanas.

Na cimeira, prevista para julho, em Washington, os 31 Estados-membros deverão acordar mais um aumento na despesa em Defesa, que há anos tem vindo a ser pedida pela organização sediada em Bruxelas e cujos apelos aumentaram com a invasão da Ucrânia, o agravamento das tensões no Médio Oriente e a influência crescente da Rússia e da China, por exemplo, em África.

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!