China pede intensificação de coordenação estratégica com a Rússia

Como dois grandes países responsáveis, China e Rússia devem fortalecer a comunicação estratégica, construir mais consensos estratégicos e realizar mais cooperação estratégica sobre o futuro da humanidade e do mundo, disse o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, nesta quarta-feira

por Nelson Moura

Wang fez as declarações em uma conversa telefônica com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, durante a qual eles trocaram cumprimentos de Ano Novo.

No ano passado, sob a orientação estratégica dos presidentes chinês, Xi Jinping, e russo, Vladimir Putin, a parceria estratégica abrangente de coordenação para uma nova era China-Rússia tem funcionado em alto nível, disse Wang, também membro do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista da China.

Por meio de uma coordenação estratégica de alta qualidade, os dois lados não apenas administraram bem os assuntos de seus respectivos países, mas também desempenharam papéis fundamentais na arena internacional e mantiveram a estabilidade estratégica global, disse Wang.

Notando que este ano marca o 75º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas entre a China e a Rússia e o início dos Anos de Cultura China-Rússia, Wang disse que as duas partes devem, de acordo com o consenso alcançado pelos dois chefes do Estado, realizar atividades de celebração, intensificar intercâmbios de alto nível, promover o desenvolvimento aprofundado da cooperação prática bilateral, promover o intercâmbio interpessoal em vários domínios e consolidar ainda mais o apoio público e a base social para as relações bilaterais.

A China acredita firmemente que a Rússia será capaz de concluir com sucesso sua importante agenda política doméstica e manter a estabilidade e o desenvolvimento nacionais, disse Wang.

Na recente Conferência Central sobre Trabalho Relacionado com Negócios Estrangeiros, o presidente Xi resumiu de forma abrangente a diplomacia de grande país com características chinesas na nova era, fez planos estratégicos para os próximos passos, particularmente elucidando as profundas conotações do sistema científico de construção de uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade.

 (Photo by Sergei SAVOSTYANOV / POOL / AFP)

Wang defendeu um mundo multipolar igual e ordenado, bem como uma globalização económica inclusiva que beneficie todos, o que está de acordo com a tendência de desenvolvimento e progresso dos tempos e ressoa com as aspirações comuns da maioria dos países, disse Wang.

Observando que as relações Rússia-China produziram resultados frutíferos em 2023, Lavrov disse que, no novo ano, a Rússia está pronta para trabalhar com a China para manter intercâmbios de alto nível, fortalecer a cooperação bilateral em áreas como economia, comércio e investimento, aprofundar os intercâmbios entre pessoas nos campos do desporto e da cultura, realizar o bem-sucedido Ano da Cultura China-Rússia, avançar na comunicação e coordenação em assuntos internacionais e dar as mãos para procurar novas conquistas nas relações bilaterais.

A Rússia adere firmemente ao princípio de Uma Só China, acrescentou. Os dois lados também trocaram opiniões sobre a cooperação do BRICS e o conflito palestino-israelita.

Tanto a China como a Rússia devem continuar a reforçar a comunicação e a coordenação, instar um cessar-fogo e a cessação das hostilidades o mais rápido possível no conflito palestino-israelita

Lavrov disse que a Rússia está disposta a trabalhar com a China para promover a cooperação do BRICS para alcançar maiores resultados e fortalecer a comunicação e a coordenação sobre o conflito palestino-israelita para salvaguardar a paz e a estabilidade no Oriente Médio.

Wang disse que a China apoia totalmente a Rússia, que assume a presidência do BRICS este ano, em sediar uma cúpula bem-sucedida do BRICS, e está pronta para fazer esforços conjuntos com a Rússia para aumentar a influência internacional do BRICS e elevar a cooperação do BRICS a um novo nível.

Tanto a China como a Rússia devem continuar a reforçar a comunicação e a coordenação, instar um cessar-fogo e a cessação das hostilidades o mais rápido possível no conflito palestino-israelita, garantir a entrega tranquila de ajuda humanitária e fazer esforços conjuntos para reiniciar a solução de dois Estados.

Eles também discutiram outras questões internacionais e regionais de interesse comum.

Plataforma com Xinhua

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!