Nada de Novo no Front’ ganha Oscar de Melhor Filme Internaiconal

por Mei Mei Wong
AFP

“Nada de Novo no Front”, mais recente adaptação cinematográfica do clássico romance alemão sobre a Primeira Guerra Mundial com o mesmo nome, ganhou neste domingo (13) o Oscar de Melhor Filme Internacional e deixou mensagem contra a guerra.

Produzido pela Netflix, esta produção superou a grande concorrente “Argentina, 1985”, protagonizado por Ricardo Darín, assim como o belga “Close”, o polonês “EO” e o irlandês “A Menina Silenciosa”.

“Isso significa muito para nós”, disse o diretor suíço Edward Berger, 52, ao receber as estatuetas pelas mãos de Salma Hayek e Antonio Banderas.

Uma das obras mais influentes da literatura alemã publicada há quase um século, a versão cinematográfica de “Nada de Novo no Front” – escrito por Erich Maria Remarque – encerra sua jornada de premiações com um Oscar.

O chanceler alemão Olaf Scholz parabenizou os produtores do filme por seu “enorme sucesso”, “especialmente nestes tempos difíceis, mostra inequivocamente quão terrível e desumano a guerra é”.

Este foi o primeiro filme em alemão indicado ao Oscar de Melhor Filme em toda a história da Academia de Hollywood.

“Nada de Novo no Front” estava indicada em nova categorias neste domingo.

Além da estatueta de Melhor Filme Internacional, a adaptação foi premiada em Melhor Fotografia, Melhor Direção de Arte e Melhor Trilha Sonora.

Um ano após a invasão russa da Ucrânia, “infelizmente é o filme certo na hora certa”, pontuou a ministra da Cultura alemã, Claudia Roth, quando a obra brilhou no BAFTA, premiação da Academia britânica.

“Ele aborda os horrores de uma guerra no coração da Europa de uma forma comovente, com imagens que ninguém esquecerá facilmente”, disse Roth.

O último filme alemão a ganhar o Oscar de Melhor Filme Internacional foi “A Vida dos Outros”, em 2007.

“Ponto de vista alemão”

Traduzido para mais de 60 idiomas, o romance e suas adaptações para o cinema contam o trágico destino de um jovem soldado alemão, Paul Bäumer – interpretado em 2022 por Felix Kammerer – que vai para o front como voluntário.

O personagem descobre, então, o horror das trincheiras na França e percebe a doutrinação nacionalista que ele e seus companheiros receberam.

Kammerer, um austríaco ator de teatro que estreou no cinema, foi mencionado por Berger ao receber a estatueta: “Sem você, nenhum de nós estaria aqui”.

Disponível na plataforma de streaming Netflix desde 28 de outubro de 2022, a nova adaptação também já foi lançada nos cinemas de diversos países.

Berger explicou em setembro durante uma entrevista à AFP que “queria tratar o romance de um novo ponto de vista, o de um diretor alemão”. 

Mais de um século depois da Primeira Guerra Mundial, ele queria insistir na “perspectiva dos derrotados”, contou.

“Meu filme também é diferente dos filmes americanos ou britânicos feitos do ponto de vista dos vencedores”, acrescentou o cineasta. “Na Alemanha, há sempre esse sentimento de vergonha, luto e culpa. Para mim, foi importante trazer esse ponto de vista”.

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!