PALOP e Timor destacam “excelente” cooperação com UE mas que pode ser "melhorada" - Plataforma Media

PALOP e Timor destacam “excelente” cooperação com UE mas que pode ser “melhorada”

Os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste (PALOP-TL) assinalaram hoje em Bruxelas os 30 anos do programa de cooperação com a União Europeia (UE), apontando que esta tem sido “excelente” mas ainda assim “pode ser melhorada”.

Numa reunião ministerial extraordinária, que juntou responsáveis governamentais com a pasta da cooperação dos cinco países africanos de língua portuguesa e Timor-Leste e a UE, representada pela comissária europeia para as Parcerias Internacionais, Juta Urpilainen, a ministra dos Negócios Estrangeiros moçambicana, Veronica Macamo, coordenadora do programa, salientou que, “ao longo destes 30 anos da cooperação, foi possível reforçar os processos democráticos, a boa governação e os mecanismos de controlo das finanças públicas”.

“A história da nossa cooperação com a União Europeia é igualmente caracterizada pela manutenção da identidade e coesão dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste”, observou também.

Assinalando que este é “um momento particular da cooperação, com a transição para um novo enquadramento financeiro, do novo ciclo de programação 2021-2027, para o qual será necessário tomar importantes decisões estratégicas”, a chefe da diplomacia de Moçambique defendeu então que esta é uma oportunidade de “renovar o engajamento político e firmeza na consolidação” do programa de cooperação.

“Estamos convictos que o tradicional espírito de solidariedade e de consenso, nos momentos cruciais da nossa cooperação, vai ajudar-nos na busca de respostas coletivas mais apropriadas, para que a nossa caminhada na era pós-Cotonou, seja mais profícua e renovada. Não há nada bom que não possa ser melhorado, pelo que, apesar de a nossa cooperação ser excelente, podemos melhorá-la”, advogou então a ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, país que exerce a função de coordenador-geral do programa de cooperação desde 2005.

Na sua intervenção, a comissária europeia para as Parcerias Internacionais saudou também os “30 anos de cooperação bem-sucedida”, afirmando que, “nas últimas três décadas, os PALOP-TL fizeram progressos significativos no sentido do desenvolvimento sustentável, ao mesmo tempo que reforçaram e promoveram valores como a democracia, a boa governação e os direitos humanos”, tendo a UE “apoiado os seus esforços, prestando 118 milhões de euros em financiamento”.

“Hoje, através do ‘Global Gateway’, esperamos levar a nossa parceria para o próximo nível”, declarou a comissária Urpilainen, referindo-se à nova estratégia de investimento da UE – entendido como uma resposta à ‘Nova Rota da Seda’, que a China tem em curso à escala mundial -, e que contempla um pacote de investimentos para África no montante de 150 mil milhões de euros ao longo dos próximos seis anos.

A comissária europeia destacou que “os PALOP-TL e a UE já estão a colaborar, tanto em iniciativas nacionais como regionais, do ‘Global Gateway’” e deu como exemplo a inauguração, em setembro passado, de um porto modernizado na Ilha de Maio, em Cabo Verde.

Jutta Urpilainen destacou também que, relativamente ao Estado de direito, a UE continuará a “apoiar os esforços para reforçar as instituições públicas e fomentar a criação de redes regionais para combater a corrupção, o branqueamento de dinheiro e o tráfico de droga”.

“Durante estes tempos turbulentos, a parceria e a cooperação devem permanecer fortes. Através do ‘Global Gateway’, a UE está a construir parcerias mutuamente benéficas nos domínios digital, climático, energético, da saúde, dos transportes, da educação e da investigação, e estamos a fazê-lo de acordo com os valores universais da democracia, liberdade, Estado de direito e direitos humanos”, disse.

“Acredito que estes mesmos princípios – cooperação e adesão aos valores universais – unem os vários países dos PALOP-TL”, completou.

A cooperação dos PALOP-TL com o bloco comunitário teve início em 1992, tendo sido alargada a Timor-Leste em 2007.

*Com Lusa

Related posts
MundoSociedade

UE fecha 'acordo histórico' para encerrar venda de motores a combustão em 2035

MundoPolítica

'América Latina pode alimentar mais gente', afirma alto representante da UE

EconomiaMundo

Líderes da UE acordam em trabalhar em medidas para aliviar faturas da energia

EconomiaMundo

Crise energética marca Conselho Europeu em Bruxelas quando UE tenta combater altos preços

Assine nossa Newsletter