Macau reduz quarentenas para sete dias a partir de sábado - Plataforma Media

Macau reduz quarentenas para sete dias a partir de sábado

Além destes dias de observação num hotel designado pelas autoridades, continua a ser necessário cumprir mais três dias de autogestão, sublinhou o centro.

A partir de sábado, Macau vai reduzir a partir de sábado o período de quarentena para quem chega ao território de 10 para sete dias, anunciaram as autoridades de Saúde da região administrativa chinesa.

Leia também: Agentes da PSP de Macau vão a karaoke e infringem a lei

A medida abrange todas “as pessoas que entrem em Macau provenientes de países estrangeiros, da Região Administrativa Especial de Hong Kong ou da Região de Taiwan”, disse o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus.

Além dos sete dias de observação médica num hotel designado pelas autoridades, continua a ser necessário cumprir mais três dias de autogestão, sublinhou o centro, num comunicado. A medida aplica-se a quem tiver “concluído todos os procedimentos de vacinação contra o novo tipo de coronavírus” e apresentado resultados negativos no teste à chegada a Macau, assim como nos testes durante o período de quarentena.

Já na fase de autogestão, indicou o comunicado, o código de saúde terá a cor amarela — significa que haverá limitações nas deslocações dentro da cidade. Para o código se tornar verde, o viajante deve “realizar testes de ácido nucleico nos 1.º, 2.º, 3.º, 5.º e 7.º dias após o fim” da quarentena no hotel, referiu o centro.

Máscaras continua a ser obrigatórias

Macau fechou as fronteiras em março de 2020 e desde então que as pessoas que chegam ao território — com exceção da China continental — são obrigadas a cumprir quarentena em hotéis designados pelas autoridades, que chegou a atingir 28 dias.

Leia também: “Importação de produtos” causou surto em Macau, diz diretor da Saúde

Em 15 de junho, a cidade já tinha reduzido o período de quarentena de 14 para 10 dias.

Macau, que tinha registado cerca de 80 casos desde janeiro de 2020, foi atingido em junho pelo pior surto enfrentado desde o início da pandemia, que infetou mais de 1.800 pessoas, a maioria casos assintomáticos, e provocou seis mortos, todos idosos com doenças crónicas.

A cidade levantou hoje as restrições anticovid-19 que determinaram o fecho de estabelecimentos comerciais, mas mantém o uso obrigatório de máscara na rua e exige um teste negativo à entrada de espaços como bares e restaurantes.

Este artigo está disponível em: English

Assine nossa Newsletter