Autoridades moçambicanas investigam irregularidades em apoios para o combate à Covid-19 - Plataforma Media

Autoridades moçambicanas investigam irregularidades em apoios para o combate à Covid-19

Em causa está o equivalente a cerca de 30 milhões de euros do total de 285 milhões de euros em doações utilizadas pelo Estado.

Vacinação contra a Covid-19 em África

O Ministério da Economia e Finanças de Moçambique entregou ao Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC) o relatório que detetou irregularidades nos fundos usados para o combate à Covid-19, disse esta terà Lusa fonte ligada ao processo.

“No quadro da colaboração interinstitucional, o relatório foi disponibilizado ao GCCC”, afirmou a fonte, sem dar mais detalhes. Cerca de 11 por cento do dinheiro de doadores para Moçambique enfrentar a Covid-19 em 2020 foi usado de forma irregular, reconheceu o próprio Governo num relatório divulgado em maio e em que elenca alguns passos dados para corrigir a situação.

Leia também: Provedor de Justiça em Moçambique lança plano com foco no combate à corrupção

Em causa está o equivalente a cerca de 30 milhões de euros do total de 285 milhões de euros em doações utilizadas pelo Estado moçambicano em 2020.

“Constatou-se que no decurso da implementação dos projetos executados por alguns dos setores beneficiários foram registadas irregularidades associadas a processos de contratação, deficiências nos processos de prestação de contas, pagamento irregular de ajudas de custo de funcionários e despesas não elegíveis”, lê-se no relatório disponibilizado no portal do Ministério das Finanças.

A quase totalidade do valor em causa diz respeito a “pagamentos que não observaram os procedimentos de contratação legalmente estabelecidos”, num montante de cerca de 28 milhões de euros relativos à reabilitação e construção de sanitários em escolas e melhoria de sistemas de abastecimento de água.

Leia também: Jornalistas detidos em Moçambique por alegada “corrupção passiva” restituídos à liberdade

Uma parte (não quantificada) dos casos já foi, entretanto, sanada, diz o Governo, graças a procedimentos desencadeados depois de uma auditoria do Tribunal Administrativo ter detetado as irregularidades. O executivo promete sancionar quem ainda não regularizou os processos de contratação.

O fundo de doações para o plano de resposta de Moçambique à Covid-19 contou com contribuições do Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Banco Islâmico de Desenvolvimento, Banco Mundial, União Europeia (UE), Estados Unidos da América e Fundo Global.

Este artigo está disponível em: English

Assine nossa Newsletter