Produção industrial do Brasil cresce 0,3 por cento de abril para maio - Plataforma Media

Produção industrial do Brasil cresce 0,3 por cento de abril para maio

Setor não consegue repor perda de 1,9 por cento de janeiro

A produção da indústria brasileira cresceu 0,3 por cento na passagem de abril para maio deste ano. É a quarta alta consecutiva. Apesar dos quatro meses de crescimento, a indústria ainda não conseguiu repor a perda de 1,9 por cento de janeiro.

O setor também ainda está 1,1 por cento abaixo do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020) e 17,6 por cento abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada hoje (5), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com maio de 2021, a indústria cresceu 0,5 por cento. Já na média móvel trimestral, a alta é de 0,4 por cento.

Leia também: Brasil terá autossuficiência na produção de trigo, diz presidente

Nos acumulados do ano e de 12 meses, no entanto, houve quedas de 2,6 por cento e de 1,9 por cento, respectivamente.

De abril para maio, 19 das 26 atividades industriais pesquisadas tiveram alta na produção, com destaque para máquinas e equipamentos (7,5 por cento), veículos automotores, reboques e carrocerias (3,7 por cento), produtos alimentícios (1,3 por cento), couro, artigos para viagem e calçados (9,4 por cento) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (5,5 por cento).

Declínio

Sete atividades tiveram queda no período, entre elas indústrias extrativas (-5,6%) e outros produtos químicos (-oito por cento). Entre as quatro grandes categorias económicas da indústria, apenas os bens intermediários, isto é, os insumos industrializados usados no setor produtivo, tiveram queda de abril para maio (-1,3 por cento).

Leia também: Produção de aço cai no Brasil devido à subida de preços derivado da guerra

Bens de capital, isto é, as máquinas e equipamentos usados no setor produtivo, anotaram alta de 7,4 por cento. Também tiveram crescimento os bens de consumo duráveis (três por cento) e os bens de consumo semi e não duráveis (0,8 por cento).

Este artigo está disponível em: English

Assine nossa Newsletter