Chefe de Estado discursa hoje na Conferência sobre os Oceanos - Plataforma Media

Chefe de Estado discursa hoje na Conferência sobre os Oceanos

O Chefe de Estado angolano, João Lourenço, discursa, hoje, na II Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos, que arranca nesse mesmo dia e decorre até sexta-feira, em Lisboa

O estadista angolano, que chegou à capital portuguesa ao fim da tarde de ontem, pode ser o primeiro a discursar no evento, que vai contar, igualmente, com a intervenção de outros Chefes de Estado e de Governo dos 193 países membros das Nações Unidas.

O secretário do Presidente da República para os Assuntos de Comunicação Institucional e Imprensa, Luís Fernando, adiantou, sábado, quando fazia o anúncio da deslocação a Lisboa, que o estadista angolano vai partilhar, na Conferência, a visão de Angola “em relação à maneira como o país pretende que os oceanos e os enormes recursos sejam tratados”.

Por seu lado, o ministro das Relações Exteriores, Téte António, fez saber, quando fazia o lançamento da participação de Angola no certame, que o discurso do Chefe de Estado será o ponto mais alto da sua agenda de trabalho em Lisboa. O chefe da diplomacia angolana disse que o Chefe de Estado vai falar, também, em nome da Comunidade que Angola representa, neste momento – numa alusão à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“Fala sobre a República de Angola e do que nós fazemos e qual é a nossa perspectiva relativamente a essa Conferência, que é bastante importante, pensamos, tendo em conta o que a Economia Azul representa”, destacou.

De acordo com Téte António, a agenda do Presidente da República prevê, ainda, uma visita à sede da CPLP, na qualidade de presidente em exercício da organização.

Angola é candidata à vice-presidência e relatora da Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos. O ministro das Relações Exterior ressaltou que o país está interessado em participar, de perto, na definição de estratégias e na implementação das decisões que têm sido tomadas nesses encontros sobre os oceanos.

“É uma maneira de fazermos com que a República de Angola possa não só cuidar dos seus interesses, mas, também, de outros interesses dos membros das Nações Unidas, bem como cuidar da implementação, sobretudo, que é a parte mais importante”, afirmou o ministro.

João Lourenço regressa a Lisboa, na qualidade de Presidente da República, três anos depois. A primeira visita oficial a este país aconteceu em 2018 e foi a convite do seu homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa.

Oceanos preocupam

Os líderes mundiais vão aproveitar esta Conferência de Lisboa para discutir o futuro dos oceanos, devido ao impacto negativo da acção do Homem, que está a pôr em causa a sua sustentabilidade. A Conferência, subordinada ao tema geral “ampliar a acção oceânica, com base na Ciência e na inovação, para a implementação do Objectivo 14: inventário, parcerias e soluções”, era adiada desde 2020.

Os Chefes de Estado e de Governo querem aproveitar a Conferência, organizada pelos governos de Portugal e do Quénia, para juntar as vozes e mobilizar apoio global, de modo a implementar, criar, conservar e utilizar, de uma forma sustentável, os mares, oceanos e os recursos marinhos. A organização destaca que, apesar do progresso feito nas acções oceânicas, a saúde dos oceanos continua a deteriorar-se rapidamente, devido aos desafios multidimensionais da poluição, pesca excessiva e mudanças climáticas.

Aliada à situação está a pandemia da Covid-19, que inviabilizou o progresso conquistado com muito esforço, na implementação de Objectivos da Agenda 2030 das Nações Unidas, incluindo o Objectivo 14, trazendo, deste modo, um novo conjunto de desafios para o alcance de metas até 2030.

A organização ressalta que a Conferência vai impulsionar soluções inovadoras, baseadas na Ciência, muito necessárias, destinadas a iniciar um novo capítulo de acção global dos oceanos.

Na sua mensagem por ocasião do Dia Mundial dos Oceanos, assinalado a 8 deste mês, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, referiu que a Organização Meteorológica Mundial revelou que quatro indicadores climáticos essenciais bateram novos recordes em 2021, nomeadamente, a subida do nível do mar, temperatura dos oceanos, acidificação e concentrações de gases com efeito de estufa. Disse que este quadro torna evidente que a tripla crise de alterações climáticas, perda de biodiversidade e poluição está a ameaçar a saúde dos oceanos, da qual todos dependem.

 “Os oceanos produzem mais de 50 por cento do oxigénio do planeta e são a principal fonte de sustento para mais de mil milhões de pessoas”, salientou Guterres, na mensagem, lembrando que as indústrias baseadas nos oceanos empregam cerca de 40 milhões de pessoas.

O Secretário-Geral das Nações Unidas referiu que os re-cursos dos oceanos e a biodiversidade estão a ficar comprometidos devido às actividades humanas, revelando que mais de um terço das reservas mundiais de peixe são colhidos a níveis biologicamente insustentáveis. Por essa razão, António Guterres defendeu, nesta intervenção, ser tempo de o mundo perceber que, para se alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e os Objectivos do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, é necessária uma acção colectiva, com urgência, para revitalizar os oceanos.

“Isso significa encontrar um novo equilíbrio na nossa relação com o ambiente marinho”, frisou. António Guterres fez saber que a Conferência de Lisboa vai continuar os debates sobre um novo acordo para a conservação e utilização sustentável da diversidade biológica marinha em áreas fora da jurisdição nacional.

“Garantir oceanos saudáveis e produtivos é a nossa responsabilidade colectiva, que só podemos cumprir trabalhando em conjunto”, exortou, na mensagem por ocasião do Dia Mundial dos Oceanos.

Leia mais em Jornal de Angola

Related posts
AngolaPolítica

João Lourenço diz que teve a coragem de lutar contra a corrupção

AngolaPolítica

João Lourenço anuncia construção de projectos de desenvolvimento

AngolaPolítica

Será necessária mediação para evitar provável violência pós-eleitoral em Angola

AngolaPolítica

Sociedade civil angolana apresenta ação judicial contra João Lourenço

Assine nossa Newsletter