PR timorense considera forças armadas “pilar vital” - Plataforma Media

PR timorense considera forças armadas “pilar vital”

O Presidente timorense disse hoje que as forças de defesa do país são um “pilar vital” da afirmação de Timor-Leste, sendo fundamental continuar a formar militares competentes e motivados para assim melhor edificar a instituição

“Sem Forças Armadas unidas fortes e prestigiadas não há um Timor-Leste unido, forte e prestigiado”, afirmou Francisco Guterres Lú-Olo na cerimónia de comemoração do 21º. aniversário das Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL).

“Quem conhece a nossa história sabe que sempre foi o elemento humano e a sua vontade de combater que fez a diferença. E, assim, vai continuar a ser. O futuro passa por uma organização constituída por militares competentes e motivados, com elevados padrões de formação, qualificação e treino”, disse.

O chefe de Estado referiu-se ao desafio que tem sido e continuará a ser o “exercício complexo de gestão de necessidades, de interesses e de objetivos, que só pode ser resolvido através de um rigoroso e exigente processo de planeamento de defesa nacional e de forças”.

A cerimónia de hoje ficou marcada pela troca de chefe do Estado-Maior General (CEMGFA), com a saída de Lere Anan Timur e a nomeação de Falur Rate Laek para o cargo.

“A hora da despedida de um comandante militar é sempre um momento de alto significado. Quero hoje, aqui na presença das forças militares, prestar a minha sincera homenagem a um soldado de Timor-Leste que terminou a sua longa e distinta carreira militar”, disse Lú-Olo.

“Por ter cessado recentemente as suas funções, a seu pedido, quero aproveitar esta ocasião para expressar o reconhecimento que lhe é devido pelos elevados serviços prestados à pátria e às FALINTIL-FDTL, que serviram de exemplo e muito prestigiaram Timor-Leste”, considerou.

Recorde-se que Lere Anan Timur foi exonerado, a seu pedido, para poder candidatar-se nas eleições presidenciais de 19 de março, tendo a sua equipa entregue hoje a documentação necessária no Tribunal de Recurso em Díli.

Ao seu sucessor no comando das forças de Defesa, Lú-Olo recordou que o cargo de CEMGFA“é um desafio dos mais gratos para qualquer oficial (…), mas é também dos mais difíceis”, destacando o seu papel no “desenvolvimento e a consolidação da estrutura superior de comando e controlo, a formação, o aprontamento e a sustentação das forças por forma a torná-las mais flexíveis e aptas a responder aos mais variados desafios”.

Em breve serão nomeados novos vice-chefe de Estado-Maior-General, chefe de Estado-Maior das F-FDTL e comandantes das Componentes, anunciou.

“A mudança de um Comandante Militar deve ser encarada de forma positiva, com confiança e naturalidade. Faz parte de um processo natural no nosso historial de mudanças da liderança militar desde a restauração da independência”, disse.

“Esta mudança deve ainda ser vista como um sinal de confiança do poder político na instituição militar e na capacidade de liderança das suas chefias e, ao mesmo tempo, um incentivo para o desenvolvimento natural das expectativas de progressão na carreira militar dos nossos militares, considerou ainda.

Lú-Olo recordou a transição histórica para as F-FDTL, honrando a memória das Falintil que “resistiu com resiliência e heroicidade únicas, contando com as suas próprias forças, durante 24 anos de luta contra a ocupação militar” do país do nosso País.

“As Falintil, como servidoras do Estado, deixaram-nos como legado a independência da nossa Pátria e os princípios e valores que nos unem e que constituem os alicerces do nosso Estado de Direito Democrático”, afirmou.

Artigos relacionados
ChinaPolítica

Presidente da China critica alargamento de alianças militares

MundoPolítica

Portugal disponível para treinar militares ucranianos

AngolaPolítica

Angola e Portugal assinam acordo para a Defesa

MundoPolítica

Reino Unido irá fornecer lança-foguetes à Ucrânia

Assine nossa Newsletter