EUA pede a Moscovo que se retire 'rapidamente' do Cazaquistão

EUA pede a Moscovo que se retire ‘rapidamente’ do Cazaquistão

Os Estados Unidos pediram esta terça-feira à Rússia para retirar “rapidamente” as suas forças enviadas ao Cazaquistão, a pedido do presidente Kassym Jomart Tokayev, após violentos distúrbios

EUA pede a Moscovo que retire rapidamente do Cazaquistão. Washington comemorou o retorno à calma no país da Ásia Central, abalado na semana passada por protestos e distúrbios não vistos desde sua independência em 1991, segundo o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price.

Ele também saudou “o anúncio do presidente Tokayev, que disse que as forças de paz da CSTO completaram sua missão”, em referência aos quase 2.000 soldados, principalmente russos, da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) enviados a pedido do presidente cazaque.

“Enquanto as forças da CSTO não se retirarem, continuaremos a pedir que respeitem os direitos humanos e respeitem o seu compromisso de se retirarem rapidamente do Cazaquistão, conforme exigido pelo governo cazaque”, acrescentou o porta-voz da diplomacia americana durante uma coletiva de imprensa.

Leia também: Protestos derrubam governo no Cazaquistão e abrem novo desafio para Putin

Tokayev afirmou que a retirada do contingente da CSTO começaria em dois dias, que seria “progressiva” e que não duraria mais de 10 dias.

Mas o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, alertou que a saída será feita quando a situação estiver “totalmente estabilizada” e “por decisão” das autoridades cazaques.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, irritou Moscou na semana passada ao declarar que “uma vez que os russos entram em sua casa, às vezes é muito difícil fazê-los sair”.

Tokayev, apoiado pela Rússia, chamou os distúrbios de tentativa de golpe que deixou dezenas de mortos, centenas de feridos e cerca de 10.000 pessoas presas.

Related posts
FuturoSociedade

Moderna iniciou testes de reforço da vacina específico para Ómicron

ChinaPolítica

China nega que conflito ucraniano estaria a afastar Moscovo e Pequim

MundoPolítica

EUA alerta Bielorrússia de resposta firme se ajudar a invadir Ucrânia

MundoPolítica

Ocidente alerta para 'graves consequências' em caso de agressão à Ucrânia

Assine nossa Newsletter