Nyusi vê ano de esperança para os PALOP - Plataforma Media

Nyusi vê ano de esperança para os PALOP

Nyusi palop

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse a 1 de janeiro que o ano de 2021 foi de enormes desafios para os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) face à pandemia da Covid-19, considerando que o novo ano deve ser de esperança. 

“Que seja um novo ano de esperança para todos nós, mas sobretudo um ano em que os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa continuem firmes a produzir e a desenvolver as suas economias”, declarou Filipe Nyusi, falando a partir de Pemba, na província de Cabo Delgado, numa mensagem por ocasião do Ano Novo. 

Leia também: Filipe Nyusi e Antony Blinken debatem situação em Cabo Delgado

Para o chefe de Estado moçambicano, as restrições impostas pela pandemia da Covid-19 atrasaram vários planos do desenvolvimento entre os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e também em Portugal. 

“Foi um momento que aprendemos a viver a proteger a saúde, tentando tornar esta vida também sustentável […] Considero que foi a mesma realidade para todos os povos dos países falantes de língua portuguesa, como também para os nossos amigos de Portugal”, frisou. 

Para o caso de Moçambique, prosseguiu Filipe Nyusi, a situação foi mais complexa, com o cíclico impacto das mudanças climáticas. 

Leia também: Presidente Filipe Nyusi com teste positivo à covid-19

“Os desafios foram além disso problemas como a seca, chuvas, ventos e ciclones”, acrescentou Nyusi, realçando, no entanto, que o país procurou sempre reverter as tendências negativas e superar os seus desafios. 

Moçambique enfrenta anualmente chuvas e ciclones durante o período chuvoso, que decorre entre outubro e março. 

Na época chuvosa 2020/2021 o país foi atingido por eventos climatéricos extremos, com destaque para a tempestade Chalane e os ciclones Eloise e Guambe, além de outras semanas de chuva intensa e inundações. 

Leia também: Nyusi garante ter a situação controlada na província de Cabo Delgado

As intempéries provocaram pelo menos 96 mortes, afetaram 676.314 pessoas e causaram ainda 150 feridos, de acordo com dados do Governo. 

O período chuvoso de 2018/2019 foi dos mais severos de que há memória em Moçambique: 714 pessoas morreram, incluindo 648 vítimas de dois dos maiores ciclones (Idai e Kenneth) de sempre a atingir o país. 

Related posts
BrasilGuiné-Bissau

Guiné-Bissau e Brasil assinam acordos de cooperação técnica em várias áreas

ChinaLusofonia

Instituto de Investigação para os PALOP em Macau estuda cooperação com a China

EconomiaLusofonia

Presidência lusa da UE trará "muitos benefícios" aos PALOP

LusofoniaPortugal

Portugal tratou milhares de doentes oriundos dos PALOP nos últimos quatro anos

Assine nossa Newsletter