Brasil continua a elevar taxa de juro para conter inflação apesar da recessão

Brasil continua a elevar taxa de juro para conter inflação apesar da recessão

O Banco Central brasileiro elevou ontem a taxa básica de juro do país em 1,5 pontos percentuais, para 9,25% ao ano, o maior nível desde 2017, visando conter a crescente inflação, apesar da atual recessão

O Comité de Política Económica (Copom) do Banco Central, na última reunião do ano, manteve a sua política de elevação acentuada das taxas de juro, numa tentativa de travar uma inflação que duplicou a meta fixada para 2021 e também ameaça superar a de 2022.

O aumento de ontem, aprovado por unanimidade pelos membros do Copom, foi a sétima elevação consecutiva nas taxas.

“Os indicadores divulgados nas últimas semanas mostram uma evolução da atividade económica abaixo do esperado: a inflação ao consumidor segue elevada, a subida dos preços foi superior ao esperado e as taxas acumuladas são incompatíveis com a meta de inflação”, justificou o Banco Central em comunicado.

O órgão também explicou a sua decisão pelo “ambiente menos favorável no cenário externo”, dada a persistente inflação nos países emergentes, a possibilidade de uma nova vaga da pandemia covid-19 e o surgimento da variante Ómicron.

O próprio Banco Central do Brasil admitiu que a sua intenção é continuar esse aumento até que possa conter a subida da inflação, pelo que a previsão dos economistas é que o Brasil encerre 2022 com taxas em 11,50% ao ano, o seu maior nível desde fevereiro de 2017.

Leia mais sobre o assunto em: Brasil eleva taxa de juros ao nível mais alto para conter inflação

Após dois anos de recessão (2015-2016) e outros dois de baixo crescimento, as taxas de juro caíram rapidamente no Brasil a partir de 2019, com a chegada à Presidência de Jair Bolsonaro, defensor de um modelo económico liberal, até se fixarem em 2% ao ano em agosto de 2020. Contudo, a partir de fevereiro de 2021, começaram a ser elevadas.

A grande preocupação da autoridade monetária é a inflação, que em novembro foi de 1,17%, o seu maior nível para o mês desde 2002, com a qual a taxa interanual atingiu 10,73%, o maior patamar desde fevereiro de 2016.

Em comunicado, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) classificou a nova subida das taxas “excessiva e que coloca em risco a recuperação económica do país”.

Analistas de mercado, consultados pelo próprio Banco Central, preveem que o Brasil encerre 2021 com uma inflação de 10,18%, ou seja, com um índice que dobra o teto da meta que o órgão impôs para este ano, e que a subida nos preços desacelerará em 2022, mas a taxa para o próximo ano será de 5,25%, igualmente acima da meta.

Related posts
EconomiaMundo

Eurogrupo espera alívio nas “pressões inflacionistas” ao longo do ano

ChinaEconomia

Inflação estabiliza na China apesar de aumento dos preços geral

EconomiaMoçambique

Moçambique registou inflação de 6,74% em 2021

BrasilEconomia

Brasil eleva taxa de juros ao nível mais alto para conter inflação

Assine nossa Newsletter