NASA lança nave espacial para desviar trajetória de asteróide

NASA lança nave espacial para desviar trajetória de asteróide

A NASA está a preparar-se para lançar uma missão para deliberadamente colidir uma nave espacial contra um asteróide. Um ensaio para o caso de um dia a humanidade precisar de impedir que uma rocha espacial gigante acabe com a vida na Terra

Pode soar como ficção científica, mas o Dart (Double Asteroid Redirection Test) é um experimento real que decolará nesta terça-feira às 22h21 do horário padrão do Pacífico (quarta, 24, às 3h21 de Brasília), a bordo de um foguete SpaceX a partir da Base da Força Espacial de Vandenberg, na Califórnia, Estados Unidos.

“Todos os sistemas, assim como o clima, são favoráveis para o lançamento do Falcon 9 esta noite”, tuitou a companhia de Elon Musk.

Seu alvo é Dimorphos, uma “lua” com cerca de 160 metros de largura, que orbita um asteroide muito maior chamado Didymos, de 780 metros de diâmetro. Juntos, eles formam um sistema que orbita o sol.

O impacto deve ocorrer entre 26 de setembro e 1º de outubro de 2022, quando o par de rochas estará a 11 milhões de quilômetros da Terra, o ponto mais próximo que podem chegar.

“O que estamos tentando aprender é como desviar uma ameaça”, disse o cientista-chefe da Nasa, Thomas Zuburchen, em uma coletiva de imprensa sobre o projeto de 330 milhões de dólares e o primeiro de seu tipo.

Para deixar claro: os asteroides não representam uma ameaça ao nosso planeta. Mas eles pertencem a uma classe de corpos conhecida como Objetos Próximos à Terra (NEOs, em inglês). São asteroides e cometas que se encontram a menos de 50 milhões de quilômetros do nosso planeta.

O Escritório de Coordenação de Defesa Planetária da Nasa está mais interessado em corpos maiores que 140 metros, já que eles têm o potencial de devastar cidades ou regiões inteiras com uma energia várias vezes maior do que bombas nucleares.

Há 10 mil asteroides próximos à Terra com esse tamanho conhecidos, mas nenhum tem uma chance significativa de impacto nos próximos 100 anos. No entanto, estima-se que apenas 40% desses asteroides foram encontrados até o momento.

Impacto a 24.000 km/h

Os cientistas podem criar impactos em miniatura em laboratórios e usar os resultados para criar modelos sofisticados de como desviar um asteroide, mas esses modelos são baseados em suposições imperfeitas, portanto, querem fazer um teste do mundo real.

A sonda Dart, que é uma caixa com o volume de um grande frigorífico e painéis solares do tamanho de limusines de cada lado, irá colidir com Dimorphos a pouco mais de 24 mil quilômetros por hora, provocando uma pequena mudança no movimento do asteroide.

Cientistas dizem que estas rochas são um “laboratório natural ideal” para o teste porque os telescópios baseados na Terra podem medir facilmente a variação de brilho do sistema Didymos-Dimorphos e calcular o tempo que Dimorphos demora para orbitar seu irmão maior.

Sua órbita hunca se cruza com o nosso planeta, o que proporciona uma forma segura de medir o efeito do impacto, que deve ocorrer entre 26 de setembro e 1º de outubro de 2022. 

Andy Rivkin, chefe da equipe de pesquisas do DART, disse que o período orbital atual é de 11 horas e 55 minutos. A equipe espera que o impacto reduza em 10 minutos a órbita de Dimorphos. 

Há alguma incerteza sobre a quantidade de energia que o impacto irá gerar, pois se desconhece a composição interna e a porosidade da pequena lua. Quanto mais detritos gerarl, mais impulso Dimorphos terá. 

“Cada vez que vamos rumo a um asteroide, encontramos coisas que não esperávamos”, disse Rivkin. 

A nave espacial DART também contém instrumentos sofisticados de navegação e obtenção de imagens, entre eles o CubeSat, da Agência Espacial Italiana, que observará o impacto e seus efeitos posteriores.

A trajetória do Didymos também pode ser sutilmente afetada, mas não alteraria significativamente seu curso, nem poria em risco a Terra, segundo os cientistas.

Related posts
ChinaDesporto

EUA anunciam boicote diplomático aos Jogos de Inverno de Pequim

PortugalSociedade

EUA classificam Portugal em risco “muito elevado”

MundoSociedade

Primeiros sinais de gravidade da ómicron são "encorajadores"

BrasilPolítica

EUA confiam plenamente que o Brasil terá eleições 'livres e justas'

Assine nossa Newsletter