Aumento dos combustíveis leva grupos de cidadãos à rua - Plataforma Media

Aumento dos combustíveis leva grupos de cidadãos à rua

Primeiro boicote agendado para hoje, com mais de 360 mil portugueses a apoiar nas redes sociais. Seguem-se as empresas “falidas”. ANTRAM avisa que “desespero” pode levar transportadores de mercadorias a nova paralisação.

A escalada do preço dos combustíveis está a preocupar os consumidores em Portugal, quer sejam privados ou empresas. A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) – que há dois anos paralisou o país – já alertou que poderá haver protestos dos camionistas, que viram disparar os custos do abastecimento e falam em “movimentações” para pressionar uma travagem à escalada de preços que está a deixar muitas transportadoras “à beira da falência”. Uma ameaça que se soma à contestação pública, que tem vindo a ganhar visibilidade, sobretudo nas redes sociais. Um grupo formado na quarta-feira, com mais de 360 mil membros à hora do fecho desta edição, marcou já para esta sexta-feira o primeiro de cinco dias de protesto.

O grupo em causa, “Greve aos Combustíveis”, foi criado no Facebook no dia em que, pela primeira vez, o litro de gasolina aditivada ultrapassou os dois euros em alguns postos do país e agendou boicotes ao consumo de gasolina e gasóleo também para os dias 21, 22, 28 e 29 de outubro. Ao Dinheiro Vivo, Ricardo Freitas, um dos três organizadores do protesto, explicou que o grupo nasceu da insatisfação com a evolução dos preços e que o objetivo é reivindicar uma revisão em baixa da carga fiscal e, consequentemente, dos preços.

“Queremos que o governo baixe os impostos sobre os combustíveis”, disse, realçando que o apelo à greve ao abastecimento de combustíveis nas gasolineiras nacionais é pacífico. “A nossa causa é cada cidadão recusar abastecer nos dias marcados”, explica, descartando qualquer apelo ao bloqueio de estradas. “Todos somos livres para fazer o que queremos e não podemos impedir acessos aos postos de gasolina, a pontes, etc.”.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Assine nossa Newsletter