Clássicos alemães e austríacos na temporada 2021/2022 da Orquestra de Macau

Clássicos alemães e austríacos na temporada 2021/2022 da Orquestra de Macau

A nova temporada de concertos da Orquestra de Macau arranca a 5 de Setembro com uma obra de Johannes Brahms, executada pelo violinista Ning Feng. Estão também previstos espectáculos do trombonista sueco Christian Lindberg e da soprano italiana Maria Agresta. Caso os artistas estrangeiros continuem impedidos de entrar em Macau, Mok Ian Ian garante que há “um plano B”

O convite está lançado, mas persistem ainda muitas dúvidas que podem desafinar o horizonte musical traçado. A Orquestra de Macau (OM) apresentou ontem a temporada de concertos 2021/2022 que, sob o tema “Clássicos Alemães e Austríacos”, integra na sua programação um vasto repertório de espectáculos protagonizados por artistas de renome internacional, muitos deles estrangeiros.

Durante o discurso de apresentação, o director musical e maestro principal da OM, Lu Jia referiu que a tónica da temporada que se avizinha permitirá apreciar de forma abrangente as “obras mais memoráveis” de alguns dos mais importantes compositores alemães e austríacos, dando especial ênfase à obra de Brahms e Mahler.

Um dos destaques da nova temporada, apontou Lu Jia, honra precisamente a obra de Mahler, já que está a previsto um espectáculo para assinalar o 110º aniversário da obra “Das Lied von der Erde” (A Canção da Terra), representativa da ligação entre o Oriente e o Ocidente.

“Embora a letra da canção seja em alemão, é baseada em ‘A Flauta Mágica’, uma colecção de poemas traduzidos pelo poeta alemão Hans Bethge que tem uma ligação inexplicável com a poesia da Dinastia Tang. A Orquestra de Macau e a Orquestra Filarmónica de Xangai vão colaborar nesta produção de grande envergadura, acreditando-se que irá dar um espectáculo inovador que certamente vai permitir aos aficcionados da música ter uma experiência artística inesquecível”, referiu.

A “Canção da Terra” poderá ser apreciada no Grande Auditório do Centro Cultural de Macau (CCM) no dia 20 de Novembro de 2021. “A música é uma parte importante das nossas vidas, que pode purificar a alma, tornando-se um remédio”, rematou Lu Jia.

Assine nossa Newsletter