FLEC-FAC preocupada com silêncio da CPLP sobre província angolana de Cabinda - Plataforma Media

FLEC-FAC preocupada com silêncio da CPLP sobre província angolana de Cabinda

A direção político-militar da Frente de Libertação do Estado de Cabinda – Forças Armadas de Cabinda (FLEC-FAC) lamentou esta sexta-feira o silêncio da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) sobre a questão daquela província no norte de Angola.

“A FLEC-FAC lamenta profundamente que a Comunidade de Países de Língua Portuguesa apoie Angola, um Estado opressivo, que não respeita as regras do direito humanitário internacional no território de Cabinda”, referiu a organização em comunicado.

No documento, a direção política da FLEC-FAC insta Umaro Sissoco Embaló a não participar na cimeira da CPLP marcada para julho em Luanda, apelando ao Presidente da Guiné-Bissau a “condenar com a maior firmeza a repressão militar e pilhagem da riqueza de Cabinda pelo Governo angolano”.

“A FLEC-FAC convida o seu irmão, o Presidente da Guiné-Bissau, general Umaro Sissoco Embaló, a abrir um consulado de Cabinda em Bissau para reafirmar a sua total solidariedade com a luta do povo de Cabinda e pelo seu legítimo e histórico direito”, sublinha a nota.

A organização independentista exorta ainda o Estado da Guiné-Bissau “a denunciar as práticas inaceitáveis do Presidente angolano com os ativistas de Cabinda, práticas que vão contra os princípios universais consagrados nas convenções internacionais sobre direitos humanos”, lê-se no comunicado assinado pelo secretário-geral, Jacinto António Télica.

Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste são os Estados-membros da CPLP.

Related posts
Lusofonia

Assembleia Geral adopta resolução sobre cooperação entre a ONU e a CPLP

BrasilLusofonia

CPLP diz que eleições no Brasil cumpriram padrões internacionais

EconomiaLusofonia

Presidente da Assembleia de Angola sublinha revitalização da CPLP

Cabo VerdeLusofonia

Cabo Verde espera “o mesmo espírito” nos acordos de mobilidade na CPLP

Assine nossa Newsletter