CPLP aberta a apoiar “no que for necessário”

CPLP aberta a apoiar “no que for necessário”

O presidente em exercício do Conselho de Ministros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) manifestou esta semana a abertura da organização para apoiar Moçambique face à violência armada em Cabo Delgado

“A organização coloca-se à disposição do Governo moçambicano para aquilo que for necessário”, disse Rui Alberto de Figueiredo Soares, citado num comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique.

Rui Alberto de Figueiredo Soares, que é ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Cabo Verde, manifestou a abertura da CPLP durante uma videoconferência com a chefe da diplomacia moçambicana, Verónica Macamo.

A violência armada em Cabo Delgado começou há uma mão cheia de anos, mas ganhou uma nova escalada há duas semanas, quando grupos armados atacaram pela primeira vez a vila de Palma, a cerca de seis quilómetros dos multimilionários projetos de gás natural.

Os ataques provocaram dezenas de mortos e obrigaram à fuga de milhares de residentes de Palma, agravando uma crise humanitária que atinge cerca de 700 mil pessoas na província, de acordo com dados das Nações Unidas, e com cerca de 2.500 óbitos desde o início do conflito, segundo contas feitas pela Agência Lusa.

Os grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo ‘jihadista ‘ Estado Islâmico.

O ataque a Palma levou a petrolífera Total a abandonar por tempo indeterminado o recinto do projeto de gás em construção na península de Afungi, com início de produção previsto para 2024 e no qual estão ancoradas muitas das expectativas de crescimento económico de Moçambique na próxima década.

Entretanto, a consultora Pangeas-Risk considerou que os insurgentes no norte de Moçambique estão a preparar um ataque a Pemba e deverão, nas próximas semanas, insistir no controlo de Palma, que está “vulnerável a novos ataques”.

“Vai haver um vazio de segurança em Cabo Delgado no próximo mês, senão nos próximos, o que deixa quer Palma, quer outras localidades na província, expostas a mais ataques dos militantes”, escreve a consultora numa nota dedicada à violência no norte de Moçambique.

Na análise, estes consultores lembram que em outubro e em março, juntamente com outras consultoras de risco, alertaram para a probabilidade de um ataque a Palma e dizem que não foram ouvidos. 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
Moçambique

Encontrados corpos de duas mulheres que fugiam da violência em Moçambique

ChinaMacau

Criminalidade em Macau desceu 16,7% nos primeiros nove meses de 2022

MoçambiqueSociedade

Violência impede 3.400 alunos de realizar exames em Moçambique

EconomiaMoçambique

Filipe Nyusi pede retoma da agricultura nas zonas libertadas de Moçambique

Assine nossa Newsletter