Termas querem estar na linha da frente no pós-covid - Plataforma Media

Termas querem estar na linha da frente no pós-covid

Norte aposta na promoção da sua rede de estâncias termais e prepara o lançamento de programas de reabilitação respiratória e motora para quem já passou pela doença

Foi no tempo do Império Romano que os banhos em águas termais ganharam fama. Ainda o calendário anual se regia por outros signos e já as águas que brotavam das profundezas da terra eram procuradas para tratar diversas maleitas do corpo. Hoje está comprovada a capacidade terapêutica das imersões e da ingestão destas águas em múltiplos problemas de saúde, desde respiratórios, a dermatológicos, digestivos ou reumatológicos.

Já nos tempos que correm, com uma pandemia que assola há um ano o país e o mundo, deixando sequelas em muitos dos doentes recuperados, a Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) decidiu investir na promoção das mais de duas dezenas de estâncias termais da região, sublinhando o produto como potenciador de saúde e bem-estar. Em simultâneo, a Associação das Termas de Portugal está a desenvolver programas direcionados para a recuperação dos doentes pós-covid. Como sublinha Luís Pedro Martins, presidente da TPNP, “as termas estarão na linha da frente na oferta de soluções para a promoção de saúde e de estilo de vida saudável, e para o reforço do sistema imunitário”.

Já em abril arranca a campanha de promoção da marca Termas do Porto e Norte de Portugal, com foco nos mercados interno, espanhol, brasileiro e nas comunidades portuguesas residentes em França, Suíça, Luxemburgo e Alemanha. A mensagem será clara: “Evidenciar a importância deste produto associada a fins terapêuticos de equilíbrio psicofísico nesta fase pós-covid e como alavanca em termos de reforço da capacidade imunológica”, diz Luís Pedro Martins. E é para chegar a todos, desde casais jovens a famílias com crianças, que procuram programas de bem-estar e saúde, a adultos sozinhos e pessoas com mais de 55 anos, com escolhas mais direcionadas para a promoção e prevenção de saúde.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Artigos relacionados
PortugalSociedade

Quase menos 200 mil consultas e menos 21 mil cirurgias só em janeiro

PolíticaPortugal

Mais de metade da população considera que os políticos não devem ter prioridade na vacinação

PortugalSociedade

Reino Unido e Itália com mais impacto no início da pandemia em Portugal

PortugalSociedade

46% dos portugueses antecipam confinamento até à Páscoa

Assine nossa Newsletter