Navalny: Rússia promete resposta se a União Europeia apresentar novas sanções - Plataforma Media

Navalny: Rússia promete resposta se a União Europeia apresentar novas sanções

A Rússia alertou nesta quinta-feira (11) que responderá com o mesmo tipo de medidas se a União Europeia (UE) decidir impor sanções contra Moscovo, na sequência da prisão do líder da oposição Alexei Navalny e a repressão às manifestações convocadas pelos seus apoiantes.

O chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, indicou no início da semana que proporia ao bloco que ordenasse sanções contra a Rússia, condenando a prisão de Navalny e a reação das autoridades contra o movimento de protesto.

Borrell fez os comentários perante o Parlamento Europeu, depois de visitar a Rússia na semana passada. Durante a sua viagem, Moscovo anunciou, de surpresa, a expulsão de três diplomatas europeus.

“Gostaria de alertar os nossos parceiros da União Europeia para que não adotem medidas precipitadas”, disse a porta-voz do Itamaraty, Maria Zajarova, em declarações à imprensa nesta quinta-feira.

Qualquer imposição de novas sanções “será inevitavelmente seguida por uma resposta proporcional”, acrescentou Zajarova.

Simpatizantes de Navalny pediram à UE que ordenasse sanções contra altos funcionários russos e aqueles que rodeiam o presidente, Vladimir Putin.

As relações entre a UE e a Rússia têm sido tensas desde que Moscovo decidiu anexar a península da Crimeia em 2014, uma medida que desencadeou uma guerra no leste da Ucrânia.

A tensão aumentou depois que Navalny, o principal opositor de Vladimir Putin, foi condenado a quase três anos de prisão ao voltar à Rússia no mês passado, apósrecuperar de um envenenamento na Alemanha.

A sua prisão gerou uma onda de protestos em toda a Rússia, resultando em pelo menos 10.000 detidos. Os chanceleres da UE discutirão as ações que podem tomar contra Moscovo numa reunião a 22 de fevereiro.

Artigos relacionados
AngolaPolítica

Angola negoceia com a Rússia vacina Sputnik V

ChinaPolítica

Governo português defende “relação madura” com a China, apesar de “rivalidade sistémica”

Política

Défice. Bruxelas quer prolongar a suspensão da austeridade em 2022

MundoSociedade

Covid-19: Debaixo de críticas, Bruxelas quer agilizar candidaturas de vacinas

Assine nossa Newsletter