A mulher que está a transformar a agricultura no continente

A mulher que está a transformar a agricultura no continente

Nasceu em Angola, mas gosta de apresentar-se como cidadã africana. “Verdadeiramente africana”, como faz questão de dizer ao mundo. Josefa Sacko, a mulher que, nos últimos quatro anos dirigiu um dos mais importantes departamentos da União Africana, que trata da Agricultura e Desenvolvimento Rural, já não é só uma das angolanas mais conhecida no continente. É, também, das africanas mais respeitadas e ouvidas em todo o mundo, quando o assunto é agricultura

Ao entrar para a União Africana, em 2017, recebeu a missão de alinhar as políticas e estratégias continentais, regionais e nacionais. A ideia era fazer com que o Programa Integrado para o Desenvolvimento da Agricultura em África (CAADP), lançado em 2003, fosse implementado nos Estados-membros, como forma de melhorar a produtividade, diversificar as culturas, garantir a segurança nutricional, melhoria dos solos, mecanização agrícola, irrigação, agro-negócio e uma agricultura inteligente.

Josefa Sacko não tremeu. Os 13 anos passados à frente da Organização Inter-africana do Café, integrada por 25 países africanos produtores, facilitaram-lhe a adaptação ao novo cargo. Quatro anos passados, o trabalho desta engenheira agrónoma e economista foi além de alinhar políticas e estratégias. Percorreu África e o mundo em busca de saídas inovadoras para desenvolver o continente que, apesar de possuir 65 por cento de terras aráveis não cultivadas do mundo, uma força de trabalho jovem e vibrante, ainda vive mergulhada numa pobreza extrema. A integração da área de Economia Azul e Ambiente ao seu já extenso Departamento, no âmbito das reformas da União Africana, é bem a confirmação do trabalho bem feito desta angolana que ganhou a proximidade com os problemas da terra ainda na formação.

A facilidade de comunicação é, também, uma vantagem. Além de português, Josefa Sacko fala fluentemente  francês, Inglês, espanhol e Lingala,  esta última falada no Noroeste da República Democrática do Congo (RDC) grande parte do Congo Brazzaville e algumas zonas de Angola e da República Centro Africana.

Seja qual for o palco, num país remoto do continente, na tribuna da ONU ou na sede da União Africana, em Adis Abeba, quem a ouve reconhece nela a paixão pela terra, a força para transformá-la e influenciar mudanças. Por isso, é sempre bem referenciada nos comités técnicos especializados e pelos ministros africanos da Agricultura, Ambiente e Recursos Hídricos. Mas também pelos principais parceiros de desenvolvimento, como a União Europeia, Banco Africano de Desenvolvimento, Fundo Internacional de Desenvolvimento (FIDA), FAO, Banco Mundial e Programa Alimentar Mundia (PAM).

Leia mais em Jornal de Angola

Artigos relacionados
Cabo VerdeEconomia

Cabo Verde aposta na rega com água dessalinizada

AngolaEconomia

Agricultura familiar do Bié absorve 651,8 milhões de kwanzas

EconomiaMundo

Preços agrícolas disparam. Há risco de crise alimentar

Cabo VerdeChina

China financia assistência técnica a agricultura cabo-verdiana com aposta nas algas

Assine nossa Newsletter