Confinamento reforçado

Confinamento reforçado

Até à passada quarta-feira foram confirmados em Hong Kong 10.283 casos de infeções de Covid-19, com os números diários a atingir as dezenas. Com vários surtos repetidos, Hong Kong pôs em prática pela primeira vez no último sábado um confinamento de 48 horas, facilitando testes em massa à população.

Na terça-feira seguinte, dia 26, foi imposto um isolamento de três edifícios e testados os respetivos residentes. O presidente chinês, Xi Jinping, durante uma videoconferência com a Chefe do Executivo local, Carrie Lam, mostrou-se muito preocupado com a situação epidémica em Hong Kong.

Confinamento pela madrugada

Já durante a madrugada do último sábado, o Governo de Hong Kong declarou um confinamento obrigatório de quatro ruas na zona de Jordan. Esta medida foi executada pela primeira vez depois de terem sido confirmadas várias infeções na área, e reunidas 3.000 pessoas, incluindo forças médicas e policiais, para vigiar a zona em prol das “Medidas de Controlo e Prevenção de Doenças”. Durante esta operação foram testados mais de 7.000 residentes e descobertos 13 casos positivos.

Nas áreas restritas de Jordan foram registados 162 casos positivos, distribuídos por 56 prédios, desde 1 de janeiro e após testes às águas de esgoto da região o vírus foi descoberto numa grande percentagem dos edifícios.

Alguns residentes fizeram as malas e fugiram antes do início do confinamento. Porém, mesmo assim, as filas dos centros de teste em Jordan eram longas, e foi distribuída uma pulseira de identificação após o teste, juntamente com alguns alimentos e produtos de higiene, como massa instantânea, carne enlatada, máscaras e sabão líquido. 

A Chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, respondeu a algumas questões sobre estas medidas quando se encontrou com os media na passada terça-feira, afirmando que os testes e rastreio são a parte mais importante do combate epidémico, sendo “necessário separar, antecipadamente os infetados do resto da comunidade”. A governante lamentou que notícias sobre as ações de confinamento tenham sido reveladas previamente.

Zonas restritas em Yau Ma Tei

Ao final da tarde da última terça-feira, o Governo de Hong Kong anunciou, sem aviso prévio que iria criar uma zona restrita à volta de Yau Ma Tei nessa mesma noite e que os residentes de três edifícios seriam isolados e testados. A operação demorou 11 horas e foi diagnosticado apenas um caso positivo de Covid-19.

Matthew Cheung, Secretário-Chefe da Administração de Hong Kong, assinalou que aquele único resultado positivo representa uma taxa de diagnóstico de 0,3%, superior em 0,17% à registada em Jordan, salientando ainda que “nenhum caso (diagnóstico) pode ser posto de lado, pois cada um pode propagar-se”.

Xi Jinping preocupado

O presidente Xi Jinping assistiu através de videoconferência em Pequim, na passada quarta-feira, à apresentação do relatório de 2020 de Hong Kong, feita pela Chefe do Executivo local. O líder chinês admitiu que a pandemia que teve início há já mais de um ano deixou um grande impacto em todo o mundo, e Hong Kong, sendo uma cidade global, sofreu enormemente. Recentemente, o início de um quarto surto do vírus na região representou uma grande ameaça para a saúde e segurança da população, assim como para a vida laboral, sendo por isso razão de preocupação. Todavia, o Governo central irá continuar a tomar todas as medidas necessárias para apoiar a Região Administrativa Especial de Hong Kong na luta contra esta pandemia. “Devemos ser confiantes e unir-nos contra o vírus. A nossa pátria irá sempre apoiar Hong Kong, e juntos iremos vencer este desafio, disse Xi Jinping.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MundoSociedade

Mercado clandestino vai forçar produção de vacinas genéricas

PortugalSociedade

Mais 58 mortes e 1027 novos casos nas últimas 24 horas

BrasilSociedade

Primeiro caso de covid-19 no Brasil completa um ano

PortugalSociedade

Número de mortes diárias cai para 49. Há 1160 novos casos de Covid-19 em Portugal

Assine nossa Newsletter