Sem auxílio emergencial, Brasil deve ter mais de 20 milhões em pobreza extrema - Plataforma Media

Sem auxílio emergencial, Brasil deve ter mais de 20 milhões em pobreza extrema

Entre 10% e 15% da população viverão com menos de R$ 155 por mês em janeiro, cinco meses após alcançar mínima histórica de 2,3%, prevê economista. Em meio à pandemia, opção seria pagar valor menor a menos pessoas.O fim do pagamento do auxílio emergencial, enquanto a economia ainda não se recuperou da pandemia e os números de casos e mortes por covid-19 seguem em alta, elevará a parcela de brasileiros vivendo em pobreza extrema, com renda familiar per capita menor que R$ 155 por mês, a 10% a 15% da população, algo entre 21 milhões e 31 milhões de pessoas.

A cifra é de duas a três vezes maior que o último dado disponível, de novembro, quando o valor do auxílio emergencial já havia sido cortado à metade, e 5% da população, ou 10,7 milhões de pessoas, viviam nessa condição de escassez extrema. Os números foram calculados pelo economista Daniel Duque, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

Leia mais em Istoé

Artigos relacionados
BrasilPolítica

Governo adia para dia 31 reinício de bloqueio e suspensão de benefício

PortugalSociedade

Foram os mais pobres quem mais pagou a crise provocada pela pandemia

ChinaEconomia

A receita chinesa de luta contra pobreza

ChinaEconomia

China erradica pobreza extrema nas vésperas do centenário do Partido Comunista

Assine nossa Newsletter