Cabo Delgado: Intervenção multilateral estrangeira é crucial para acabar com a violência - Plataforma Media

Cabo Delgado: Intervenção multilateral estrangeira é crucial para acabar com a violência

Os analistas do Instituto de Estudos de Segurança da África do Sul consideram que a violência no norte Moçambique será impossível de resolver sem uma intervenção multilateral estrangeira, o que coloca a região num dilema.

“A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla inglesa) está num dilema; por um lado tem de responder à catástrofe humanitária em Moçambique, que condena como terrorismo, mas por outro procura proteger a soberania de Moçambique e não intervirá a não ser que isso seja pedido pelo Governo”, escreve a equipa de analistas da África Austral numa análise conjunta publicada no site do instituto.

Num artigo com o título ‘Terrorismo em Moçambique precisa de soluções africanas’, os analistas lamentam que os presidentes da África do Sul, Botsuana, Zimbabué e o vice-presidente da Tanzânia, convocados por Moçambique para debater a insegurança, “não tenham acordado num papel específico para a SADC e tenham apenas agendado uma cimeira extraordinária para janeiro”.

A falta de um plano concreto, acrescentam, “é sintomática da resistência moçambicana a qualquer tipo de apoio externo que possa levar a uma intervenção estrangeira multilateral no país”.

Esta, defendem, “não é uma crise que um país consiga resolver sozinho”, por isso “a SADC tem de liderar uma resposta regional”.

A crise de segurança e humanitária no norte do país não pode receber os mesmos remédios que estão a ser aplicados nas regiões do Sahel, onde o terrorismo ameaça diariamente a vida das pessoas: “Alguns dos maiores problemas do Mali e da Nigéria incluem a falta de uma estratégia abrangente nacional e regional, recursos limitados e um foco na ação militar à custa dos direitos humanos e de soluções de desenvolvimento”, argumentam.

“Moçambique e a SADC parecem estar a ir pelo mesmo caminho”, alertam, lembrando que num primeiro momento o Governo moçambicano classificou os ataques como simples crimes e contratou mercenários russos e sul-africanos em vez de negociar apoio coletivo dos países vizinhos.

Para os analistas do ISS, “a maneira como a SADC e Moçambique lidarem com a crise vai determinar o futuro do terrorismo na região, já que uma resposta pouco decidida pode consolidar o califado do Estado Islâmico na África Austral, tornando uma intervenção externa essencial”.

Com Moçambique a admitir o envolvimento da SADC na crise, esta organização “tem de calibrar cuidadosamente a sua resposta, já que a segurança a longo prazo na região depende do sucesso da ação coletiva”, concluem os analistas.

A violência armada em Cabo Delgado, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, começou há três anos e está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico desde 2019.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MoçambiquePolítica

Augusto Santos Silva em missão da UE até quinta-feira em Maputo

MoçambiqueSociedade

Adiada cimeira regional sobre Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Polícia resgatou com meios aéreos 21 pessoas raptadas por terroristas de Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Conflito em Cabo Delgado pode "engolir" toda a África Austral

Assine nossa Newsletter