Brasil aposta em poucas vacinas contra a Covid-19 e fica para trás na corrida - Plataforma Media

Brasil aposta em poucas vacinas contra a Covid-19 e fica para trás na corrida

Países ricos têm acordos para mais imunizantes e mais eficazes; só nos EUA são seis tipos

Ao apostar as fichas em poucas candidatas, o Brasil está ficando para trás na corrida das vacinas contra a Covid-19, e a população corre o risco de ficar sem os imunizantes por mais tempo ou ter acesso apenas àqueles não tão bons.

A grande favorita do governo federal é a produzida pela Universidade de Oxford (Reino Unido) em parceria com a AstraZeneca. Embora o imunizante tenha saído na frente na corrida, uma vez que já vinha sendo testado para outros coronavírus, sua média de eficácia foi de 70%, tirada a partir de dois valores —62%, que seria o oficial, e 90%, relativo ao grupo que recebeu apenas metade da dose planejada na primeira das duas injeções.

Ao analisar e divulgar esses dados, a AstraZeneca não soube explicar por que uma dose menor da vacina se traduziu em mais eficácia e, depois de receber questionamentos de todos os lados, admitiu erro e deve conduzir novos estudos.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Artigos relacionados
BrasilSociedade

Pfizer vende 60 milhões de vacinas na América Latina e pressiona Brasil

AngolaSociedade

Autoridades angolanas alertam para vacinas falsificadas

ChinaFuturo

China terá 600 milhões de doses de vacinas "prontas para usar ainda este ano"

BrasilSociedade

Governador de São Paulo diz que vacinação à Covid-19 deve iniciar em janeiro

Assine nossa Newsletter