Covid-19: Banco Mundial aponta impacto "significativo" da pandemia em Timor-Leste - Plataforma Media

Covid-19: Banco Mundial aponta impacto “significativo” da pandemia em Timor-Leste

A pandemia de covid-19 e a falta de orçamento tiveram um impacto “significativo” em Timor-Leste, conduzindo a “perdas irreversíveis de rendimentos, desemprego e encerramentos de empresas” e aumentando a pobreza no país, segundo o Banco Mundial.

O diagnóstico é traçado num novo relatório da instituição, divulgado no fim de semana, que mantém as perspetivas negativas para a economia timorense em 2020, antecipando uma contração de pelo menos 6,8% do PIB – a maior desde a restauração da independência –, com uma retoma parcial de 3,1% em 2021.

As previsões, que ecoam análises anteriores da instituição, admitem o risco adicional de mais choques económicos no país caso haja mais casos de infeção de covid-19, apontando que, a par da falta de Orçamento Geral do Estado (OGE), a pandemia foi o maior fator condicionante do país.

O Relatório Económico de Timor-Leste “Rumo a uma Recuperação Sustentada” refere o impacto da pandemia e os efeitos na economia, apesar dos apoios dados pelo Governo.

“As medidas de saúde pública foram cruciais para conter a disseminação da covid-19, e o pacote de resposta económica proporcionou o tão necessário alívio às famílias e às empresas”, segundo Pedro Martins, economista do Banco Mundial para Timor-Leste.

“No entanto, o impacto na economia tem sido significativo e, provavelmente, levará a perdas irreversíveis de rendimentos, desemprego e encerramentos de empresas, aumentando assim a taxa de pobreza”, sublinhou.

A recuperação económica depende, explicou o economista, da “aprovação oportuna de um Orçamento do Estado para 2021 e da implementação do plano de recuperação económica” nele previsto.

Entre outros dados, o relatório mostra uma queda de 62% na chegada de passageiros ao aeroporto de Díli nos primeiros seis meses de 2020, contribuindo para uma queda de 46% nas exportações.

Apesar da despesa do Fundo Covid-19 – cujo maior bolo foi um apoio direto às famílias do país –, a despesa pública caiu 7%. Se forem retiradas as despesas relacionadas com a pandemia, a queda dos gastos públicos é de cerca de 27%.

O Banco Mundial nota, apesar disso, “alguns sinais de recuperação, uma vez que a mobilidade das pessoas tem vindo a aumentar progressivamente desde abril”.

Macmillan Anyanwu, representante do Banco Mundial para Timor-Leste, elogia o Governo pela resposta rápida à pandemia, notando que, além de mitigar os riscos imediatos, “é importante investir em programas que ajudem a construir resiliência nas comunidades, fortalecer o sistema de saúde e alcançar uma recuperação económica robusta a médio prazo”.

O relatório nota que as despesas do Estado com projetos de capital “foram particularmente afetadas”, com as receitas domésticas a cair devido a “uma atividade económica mais baixa e medidas de alívio temporário (por exemplo, subsídio à eletricidade)”.

A inflação desacelerou para 0,4% no segundo trimestre de 2020, enquanto a taxa de câmbio real foi apreciada por 4 por cento, devido ao fortalecimento do dólar americano, com o crédito ao setor privado a crescer 3% até junho do ano passado.

As importações caíram 20%, “com os serviços a descerem mais do que os bens”, tendo a conta corrente enfraquecido, devido ao menor rendimento primário (petróleo).

O relatório nota o impacto de o país estar sem Orçamento Geral do Estado (OGE) nos primeiros quase 10 meses do ano, sublinhando o facto de uma nova solução pública, a meio do ano, ter conseguido evitar novas eleições antecipadas.

No documento apontam-se vários riscos, nomeadamente a recessão económica global e a menor procura de serviços de transporte que está a afetar o mercado de energia, o que pode “influenciar decisões sobre o desenvolvimento dos campos petrolíferos do Greater Sunrise”, no Mar de Timor.

“Uma menor procura de gás natural liquefeito, aliada a uma nova capacidade a adicionar até 2026, contribuirá provavelmente para preços internacionais mais baixos”, acrescenta-se.

No relatório, o Banco Mundial destaca um conjunto de “recomendações políticas para o reforço do crescimento económico, salvaguardando simultaneamente a estabilidade macroeconómica”.

“Apesar dos elevados níveis de despesa pública, o crescimento económico tem vindo a diminuir de forma constante na última década. É necessária uma estratégia económica renovada que contribua para a acumulação de capital privado e para o crescimento da produtividade para acelerar e sustentar o crescimento económico”, sublinha a instituição.

“O reforço da gestão do investimento público e a priorização das despesas de crescimento em infraestruturas sociais – como a educação, a saúde, a água e o saneamento – podem desempenhar um papel fundamental”, considera ainda.

Entre as recomendações, o Banco Mundial destaca a política fiscal como instrumento de estímulo ao setor privado, fazendo prevalecer as considerações de “qualidade e sustentabilidade”.

“Os níveis de despesa pública têm sido muito elevados desde 2008, mas não apoiaram a economia a médio prazo. A despesa pública não está a gerar um processo de acumulação de capital privado e de crescimento da produtividade, que é necessário para acelerar e sustentar a atividade económica”, sustenta.

O Banco Mundial defende ainda aumentos na “eficiência e eficácia da despesa pública”, um “reforço da gestão do investimento público” e a moderação nas despesas correntes do Estado.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
FuturoTimor-Leste

Governo timorense aprova ligação de fibra ótica submarina à Austrália

EntrevistaLusofonia

"A CPLP não tem um patrão e isso faz a diferença em relação à Commonwealth"

PolíticaTimor-Leste

Xanana Gusmão considera desadequadas medidas adicionais de estado de emergência

EconomiaPortugal

Portugal é o terceiro maior parceiro de desenvolvimento de Timor-Leste em 2021

Assine nossa Newsletter