Portugal quer fechar acordo final sobre nova PAC - Plataforma Media

Portugal quer fechar acordo final sobre nova PAC

A ministra da Agricultura disse ontem que Portugal quer fechar o acordo final sobre a nova Política Agrícola Comum (PAC) para o período 2023-2027 durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE).

Na sessão de encerramento do “webinar” luso-espanhol “A pecuária extensiva face aos novos desafios da PAC”, que decorreu ontem, Maria do Céu Antunes referiu que Portugal continua “a trabalhar empenhadamente” para, durante a presidência portuguesa, “poder dar sequência aos compromissos que assumiu” no âmbito da nova PAC, “nomeadamente na relação direta entre o Parlamento, o Conselho da UE e a Comissão Europeia”.

O objetivo é chegar-se “rapidamente” ao “acordo final” da nova PAC para haver “os regulamentos tão importantes para que cada Estado-membro possa definir a sua política [agrícola] e colocá-la ao serviço dos seus cidadãos”, frisou.

O novo plano estratégico da PAC “está a ser preparado em todos os estados-membros”, vai ser discutido no Parlamento Europeu, Conselho da UE e Comissão Europeia e “entrará em vigor em 2023”, disse Maria do Céu Antunes.

Segundo a ministra, Portugal e Espanha estão a trabalhar aos níveis técnico e político para discutirem o que estão a propor aos agricultores de cada país “no domínio do próximo plano estratégico da PAC” para que “o efeito de fronteira não se verifique” e os dois países possam “ter condições de igualdade”, que lhes permitam “também ser mais competitivos à escala global”.

Maria do Céu Antunes disse que a agricultura portuguesa estava numa trajetória de crescimento “impar”, mas foi surpreendida pelos efeitos da pandemia de covid-19, que teve e vai continuar a ter consequências “inevitáveis” no setor.

“Queremos que a agricultura seja uma parte ativa para podermos todos aspirar a um futuro melhor. É por isso que precisamos de acompanhar também os efeitos desta pandemia, porque estávamos numa trajetória de crescimento ímpar e fomos todos surpreendidos pelos efeitos deste vírus [da covid-19] que não conhecíamos e que ainda não conhecemos na totalidade”, afirmou.

Neste sentido, a ministra frisou que a PAC também tem como objetivo criar instrumentos que permitam ao setor agrícola “ganhar resiliência”.

E, atualmente, “precisamos de facto de estimular a resiliência da produção, da transformação, para também podermos continuar a fazer investimentos que se consolidem na autonomia estratégica que esperamos para cada um dos Estados-membros”, frisou.

“Cá estamos a fazer o nosso papel, onde o estado se compromete, ao lado dos seus investidores, na definição e na implementação das melhores estratégias para podermos todos pensar que, no meio desta crise que vivemos, que tanto nos assustou e continua a assustar, tem que haver uma luz que nos leva a ter a esperança num futuro onde a agricultura tem um papel importante”, frisou.

A ministra elogiou os agricultores portugueses na resposta à covid-19, frisando que “foram ímpares”, porque, “durante todo este período” de pandemia, “com todos os receios de estarem na linha da frente na produção de alimentos e na distribuição, nada faltou nas nossas mesas, nem em quantidade, nem em qualidade”.

Artigos relacionados
EconomiaLusofonia

Presidência lusa da UE trará "muitos benefícios" aos PALOP

Política

Bruxelas vai comprar 160 milhões de doses da vacina da Moderna contra a Covid-19

PolíticaPortugal

"Presidência portuguesa da UE pode contar com a parceria da Alemanha"

EconomiaPortugal

Portugal é quinto na UE com mais pobreza entre quem trabalha

Assine nossa Newsletter