Bolsonaro revoga decreto que previa concessão de unidades de saúde - Plataforma Media

Bolsonaro revoga decreto que previa concessão de unidades de saúde

O presidente Jair Bolsonaro revogou o decreto que colocava UBS (unidades básicas de saúde) no escopo de interesse do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) . Bolsonaro é acusado de reagir à repercussão negativa, após o seu governo ser acusado de querer privatizar o SUS.

O anúncio da revogação foi feito por Bolsonaro em uma rede social. Ele publicou uma mensagem intitulada “o SUS e sua falsa privatização”.

“Temos atualmente mais de 4.000 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e 168 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) inacabadas. Faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal. O espírito do decreto 10.530, já revogado, visava o término dessas obras, bem como permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União”, escreveu o presidente.

Publicado na terça-feira (27), o decreto colocava a atenção primária —porta de entrada do SUS— na mira do programa de concessões e privatizações do governo. Especialistas e entidades de saúde criticaram a medida e disseram temer a privatização da área, um pilar do sistema.

O decreto de terça era assinado por Bolsonaro e pelo ministro Paulo Guedes (Economia). Ele previa que fossem feitos estudos “de parcerias com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de unidades básicas de saúde”. Não havia estimativa de quantas das 44 mil unidades poderiam ser incluídas nessas parcerias.

Leia mais em Folha de S. Paulo

Artigos relacionados
BrasilPolítica

Governo prorrogará presença das Forças Armadas na Amazónia Legal

BrasilEconomia

Guedes diz que acordos políticos no Brasil dificultam privatizações

BrasilPolítica

Bolsonaro diz que juiz não pode decidir sobre obrigatoriedade de vacina para Covid-19

BrasilPolítica

Bolsonaro bate recorde e é o que mais libera verba em emenda parlamentar desde 2015

Assine nossa Newsletter