Enviado especial da ONU diz que 25% de guerrilheiros da Renamo já foram desmobilizados - Plataforma Media

Enviado especial da ONU diz que 25% de guerrilheiros da Renamo já foram desmobilizados

O enviado pessoal do secretário-geral da ONU para Moçambique disse hoje que 25% dos 5.221 guerrilheiros da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, já foram desmobilizados, no âmbito do processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR)

“Atingimos um marco nas atividades de desmobilização, tendo 25% dos 5.221 combatentes sido desmobilizados”, refere uma nota de Mirko Manzoni.

Manzoni avançou que nas últimas duas semanas foram encerradas mais três bases militares da Renamo e desarmados 366 guerrilheiros nos distritos de Inhaminga, Chemba e Marínguè, na província de Sofala, centro de Moçambique.

Os referidos guerrilheiros concluíram o processo de registo do DDR e voltaram a casa para recomeçarem as suas vidas, referiu ainda o enviado pessoal de António Guterres.

Os antigos combatentes receberam informações para melhor se orientarem, acrescenta a nota.

“Continuaremos a trabalhar de perto com cada um, com as suas famílias e a comunidade em geral em que se inserem, a fim de assegurar que a paz e a reconciliação nacional sejam uma realidade para todos”, refere o comunicado.

No último sábado, o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou uma trégua na perseguição das Forças de Defesa e Segurança (FDS) à autoproclamada Junta Militar da Renamo, insistindo na promoção do diálogo que os ex-guerrilheiros têm recusado.

“Irei instruir as FDS para, a partir de amanhã [domingo] e no intervalo de uma semana, pararem de perseguir a Junta. Para darmos oportunidade à Junta de voltar ao diálogo”, referiu.

O anúncio foi feito durante um retiro da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder e que Nyusi dirige, realizado em Pemba, capital provincial de Cabo Delgado, norte do país.

“Não vamos perseguir a Junta durante uma semana precisamente para dizer que nós estamos abertos, o país está aberto, eu estou aberto” ao diálogo, reiterou.

“As vias necessárias” para esse diálogo “estão abertas”, referiu – dizendo que a Junta sabe como esse trabalho está a ser feito – para que se encontre “uma solução” para acabar com o problema de haver “moçambicanos a matar outros moçambicanos”.

“Sairemos a ganhar”, destacou, se os ex-guerrilheiros dissidentes da Renamo “se juntarem ao diálogo”.

A Junta Militar da Renamo é um movimento de ex-guerrilheiros dissidentes do principal partido da oposição de Moçambique que contesta o líder eleito no congresso de 2019, Ossufo Momade, e as condições de desmilitarização, desarmamento e reintegração por ele negociadas com o Governo.

O grupo surgiu em junho de 2019 e ameaçou pegar nas armas caso não fosse ouvido nas reivindicações de destituição da liderança da Renamo e quanto a uma renegociação do acordo de paz que Momade assinou em agosto do último ano com Nyusi.

Desde então, é o principal suspeito da morte de cerca de 30 pessoas em ataques contra autocarros, aldeias e elementos das FDS no centro do país, mas ao mesmo tempo tem recusado vários apelos ao diálogo, inclusive patrocinados pelas Nações Unidas e União Europeia, entre outros parceiros.

A violência acontece na mesma altura em que o país enfrenta uma crise humanitária no norte, na província de Cabo Delgado, onde uma insurgência armada que dura há três anos já provocou entre 1.000 a 2.000 mortos e 300.000 deslocados.

Artigos relacionados
MoçambiquePolítica

Presidente moçambicano e líder da RENAMO analisam processo de paz

MoçambiquePolítica

RENAMO acusa FRELIMO de coação sobre militantes

MoçambiquePolítica

Mais 326 guerrilheiros da Renamo vão entregar as armas em Moçambique

MoçambiqueSociedade

Ataques no centro de Moçambique provocam 7.780 deslocados

Assine nossa Newsletter