Pastores censuram sermões e a ansiedade instala-se nas congregações de Hong Kong - Plataforma Media

Pastores censuram sermões e a ansiedade instala-se nas congregações de Hong Kong

Relações tensas e debate sobre a nova Lei de Segurança Nacional em algumas igrejas, com alguns clérigos a prometerem ficar longe da política

Esta semana, Hong Kong marcou 100 dias desde a aprovação da Lei de Segurança Nacional. Na segunda de uma série de três partes, o South China Morning Post (SCMP) analisa o impacto da legislação imposta por Pequim nas igrejas e suas congregações.

O reverendo Jayson Tam ficou chateado quando um comentário que fez sobre a China continental num sermão online no início de junho resultou numa carta de reclamação de quatro páginas.

Na altura, o pastor tinha mencionado a política do continente que proibia crianças menores de 18 anos de ir à igreja, mas quem reclamou disse que não era justo destacar o continente, já que os Estados Unidos também tinham regras sobre atividades religiosas em escolas públicas.

Tam recorreu ao Facebook para expressar surpresa com a reclamação, dizendo temer que as reuniões de adoração estivessem sendo monitorizadas pelas autoridades continentais.

O pastor de 46 anos de uma igreja de 10 mil pessoas apagou seu post logo depois que Pequim introduziu a Lei de Segurança Nacional em Hong Kong, com medo de que ele e outros envolvidos na discussão pudessem violar a ampla legislação que entrou em vigor em 30 de junho.

Ele estava entre vários clérigos de mais de 70 denominações protestantes e cerca de 400 igrejas independentes na cidade que disseram ao SCMP que estavam preocupados que a nova lei afetaria o que eles diziam do púlpito ou em mensagens juntos dos seus rebanhos. As igrejas têm um total de cerca de 800 mil membros.

Alguns líderes religiosos começaram a remover registos de mensagens. Outros disseram que começaram a tomar mais cuidado com os seus sermões, por medo de violar a lei. “Estou absolutamente preocupado com isso, por isso li imediatamente a lei depois que foi aprovada para saber se havia alguma possibilidade dos meus sermões ultrapassarem os limites”, confessou Tam ao SCMP.

De acordo com a Lei Básica de Hong Kong, a cidade foi obrigada a promulgar a sua própria Lei de Segurança Nacional. No entanto, em 2003, o governo local foi forçado a arquivar um projeto de lei de segurança nacional depois que cerca de meio milhão de pessoas terem ido para às ruas por se oporem à legislação.

Houve uma pressão renovada para introduzir a lei no ano passado, após meses de protestos antigovernamentais provocados por um projeto de extradição que pode ter resultado no envio de fugitivos para a China continental e outras jurisdições com as quais Hong Kong não tinha nenhum acordo judicial.

Embora o projeto de lei tenha sido retirado, os protestos continuaram durante o segundo semestre do ano passado e foram de forma virulenta contra Pequim, com inúmeros atos de vandalismo e confrontos cada vez mais violentos entre radicais e a polícia.

Como as autoridades de Hong Kong não conseguiram pôr fim aos protestos, Pequim perdeu a paciência, contornou a necessidade de a cidade promulgar sua própria legislação e, em 30 de junho, impôs uma lei proibindo atos de secessão, subversão, terrorismo ou conluio com forças externas.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
MacauPolítica

É preciso ampliar lei da segurança nacional em Macau porque ainda é limitada, diz especialista

Hong KongPolítica

Portal HKChronicles foi bloqueado pelas autoridades de Hong Kong

Hong KongPolítica

Polícia de Hong Kong detém cerca de 50 ativistas e políticos da oposição

ChinaHong Kong

Hong Kong: No Ocidente ignora-se o conceito "um país" e distorce-se o significado "dois sistemas"

Assine nossa Newsletter