Hong Kong: quem será o alvo a abater na quarta onda de Covid-19? - Plataforma Media

Hong Kong: quem será o alvo a abater na quarta onda de Covid-19?

Aumento das taxas de infecção em escolas no exterior pode ser um sinal do que pode acontecer em Hong Kong, com o retorno dos alunos às escolas

A terceira onda de infecções por Covid-19 em Hong Kong fez com que quase 4000 pessoas contraíssem o vírus entre o início de julho e o final do mês passado, 98 das quais morreram, mas a luta está longe de terminar. Na segunda de uma série de três partes, o jornal South China Morning Post (SCMP) identifica os grupos de alto risco à medida que uma quarta onda se aproxima e analisa o que a cidade aprendeu – ou não – com as experiências anteriores no combate à pandemia.

Escolas, empregadas domésticas e inquilinos subdivididos são alvos fáceis para uma possível quarta onda de infecções por Covid-19 em Hong Kong até ao final deste ano, disseram especialistas em saúde, enquanto as casas de saúde mal equipadas continuam a ser um problema não resolvido, prejudicando a luta contra um surto iminente .

Os alunos da cidade finalmente retomaram as aulas no mês passado, quando a Chefe do Executivo Carrie Lam disse que a terceira onda de infecções foi amplamente contida. Mas os especialistas já alertaram que uma nova onda pode estar a chegar, à medida que casos locais não rastreáveis ​​persistem, as atividades sociais aumentam e bolhas de viagens são eventualmente estabelecidas.

Embora as autoridades tenham prometido aprender com a terceira onda e intensificar as medidas anti-epidémicas, especialistas em saúde pública, em entrevista ao SCMP, identificaram potenciais bombas-relógio que podem desencadear um ressurgimento de infecções nos próximos meses.

Dados oficiais britânicos, por exemplo, mostraram que a taxa positiva para o coronavírus entre crianças de 12 a 16 anos aumentou de 0,03 por cento no início de setembro para 0,45 por cento em 24 de setembro.

As escolas no Canadá também foram encerradas desde que as aulas foram retomadas no mês passado. Mais de 1400 escolas relataram pelo menos um caso Covid-19, e pelo menos 107 surtos foram confirmados até ao passado sábado.

Em Hong Kong, um estudante de 22 anos do Instituto de Educação Profissional estava entre as infecções relatadas no sábado. Cerca de 2000 alunos e professores da escola precisaram ser testados, e pelo menos dois alunos foram colocados em quarentena.

O professor Yuen Kwok-yung, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Hong Kong, já disse publicamente que as escolas estão sujeitas a altos riscos de infecção, assim como lares de idosos, dormitórios e locais de descanso em obras.

O profissional relembrou ainda que as partículas muito finas carregadas com o vírus, que não podem ser filtradas por máscaras, podem atingir altas concentrações em áreas mal ventiladas e lotadas.

Related posts
BrasilSociedade

Universidade brasileira pede para testar em humanos terceira vacina

EconomiaMundo

"Impacto da pandemia no mundo do trabalho é quatro vezes maior do que foi em 2008"

MundoSociedade

Países africanos defendem produção local de vacinas para evitar atrasos

Desporto

Tóquio2020: Responsável do Comité Olímpico Internacional afirma que nada pode impedir realização

Assine nossa Newsletter