Deputado de Macau pede ao Governo medidas na Educação para se evitarem fraudes - Plataforma Media

Deputado de Macau pede ao Governo medidas na Educação para se evitarem fraudes

O deputado na Assembleia Legislativa de Macau Sulu Sou defendeu hoje medidas governamentais para reforçar a transparência nos apoios na Educação, após uma alegada fraude de mais de 20 milhões de patacas.

O deputado e docente justificou a interpelação ao Governo, agora divulgada, com a investigação anunciada na passada semana pela Polícia Judiciária de Macau e que envolve um diretor e um vice-diretor de uma escola particular de ensino não superior, suspeitos de falsificarem relatórios e de garantirem entre 2014 e 2016, de forma fraudulenta, financiamento no valor de 20,38 milhões de patacas.

“Embora a entidade gestora da escola tenha devolvido todos os fundos que não foram implementados de acordo com os regulamentos exigidos pela Direção dos Serviços de Educação e Juventude [DSEJ] (…), o caso voltou a suscitar discussões sobre a falta de supervisão financeira da educação”, salientou.

Sulu Sou defendeu alterações ao mecanismo de monitorização de apoios financeiros às escolas privadas e que, se “a fraca supervisão do passado” for mantida, Macau vai confrontar-se com um “buraco negro no financiamento da Educação” que “não só prejudicará a equidade e a rentabilidade da utilização dos fundos públicos, como também terá um impacto sério na confiança do público nas empresas de educação de Macau”.

O deputado lembrou que uma auditoria em 2015 já havia detetado riscos e irregularidades e, por isso, Sulu Sou perguntou porque não foram tomadas medidas então prometidas pelas autoridades.

Por outro lado, questionou o Governo sobre como irá convencer a população a confiar numa supervisão rigorosa quando esta é “tão restrita”, falando num número diminuto de pessoas para analisar contas e tantos apoios financeiros.

Por último, o membro do parlamento local perguntou ao Governo quando e como pretende impor novas regras “que acompanhem o ritmo dos tempos e preencha o ‘buraco negro da Educação’”, lembrando que o investimento das autoridades tem sido cada vez maior, sem que a supervisão tenha sido reforçada.

Na passada semana, a Polícia Judiciária deu conta de um caso suspeito de burla praticada por ex-responsáveis de uma escola particular, em que terão sido obtidos, por meios fraudulentos, subsídios do Fundo de Desenvolvimento Educativo (FDE).

A secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, Ao Ieong U, afirmou na quarta-feira que as irregularidades foram detetadas pela DSEJ e que o caso foi depois “comunicado de imediato às entidades judiciais para o devido acompanhamento”.

A governante acrescentou ter dado instruções à DSEJ para proceder à verificação de todos os apoios financeiros efetuados nos últimos cinco anos e a entregar o respetivo relatório no prazo de três meses.

Artigos relacionados
ChinaMacau

Sulu Sou defende suspensão do intercâmbio de professores do Interior da China

MacauPolítica

Sulu Sou quer mais dados de empresas de capitais públicos

MacauSociedade

Sulu Sou quer esclarecimentos sobre caso World Press Photo

MacauPolítica

Sulu Sou pede medidas para evitar novo escândalo como a Viva Macau

Assine nossa Newsletter