Petrolífera Total pede empenho da Europa para ajudar em Cabo Delgado - Plataforma Media

Petrolífera Total pede empenho da Europa para ajudar em Cabo Delgado

O presidente executivo da francesa Total, Patrick Pouyanne, pediu aos líderes europeus para ajudarem Moçambique a combater os ataques armados na província de Cabo Delgado, onde a petrolífera vai explorar um megaprojeto de gás natural.

“Os países ocidentais estão a perceber que um enclave do Daesh [autodenominado Estado Islâmico] está a instalar-se em Moçambique, o que é um grave problema para a estabilidade da África Oriental”, disse Pouyanne, durante uma conferência de imprensa nos arredores de Paris, citada pela agência de informação financeira Bloomberg.

“Seria bom que a situação fosse novamente colocada sob controlo, não apenas por causa do projeto da Total, mas por causa da estabilidade da região”, apontou o líder da petrolífera francesa, que tem um grande investimento na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique.

Há mais de um mês que os insurgentes ocuparam uma cidade a 60 quilómetros a sul do local onde a Total planeia gastar 20 mil milhões de dólares (17 mil milhões de euros) para extrair gás natural e exportá-lo para os clientes europeus e asiáticos.

As declarações surgem depois de um encontro entre o francês e o Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, no qual a ameaça terrorista na região foi um dos principais tópicos da conversa, e na sequência do pedido formal de ajuda lançado por Moçambique à União Europeia.

A província costeira mais a norte de Moçambique, que faz fronteira com a Tanzânia, enfrenta uma crise humanitária com mais de mil mortos e 250.000 deslocados internos após três anos de conflito armado entre as forças moçambicanas e rebeldes, cujos ataques já foram reivindicados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, mas cuja origem continua por esclarecer.

A região deverá acolher nos próximos anos investimentos da ordem dos 50 mil milhões de dólares (42,6 mil milhões de euros) em gás natural, liderados pelas petrolíferas norte-americana Exxon Mobil e francesa Total (que já tem obras no terreno), com apoio de bancos e agências de apoio ao comércio externo de vários países, entre os quais os Estados Unidos da América.

Artigos relacionados
MoçambiquePolítica

Governo moçambicano quer construir 100 novas aldeias para deslocados de Cabo Delgado

MoçambiquePolítica

Cabo Delgado: Novas certidões de nascimento para quem perdeu tudo

MoçambiqueSociedade

ONG moçambicana cria Centro da Juventude em Cabo Delgado

LusofoniaMoçambique

Ramalho Eanes critica “imobilidade preocupante dos PALOP” em relação a Moçambique

Assine nossa Newsletter