Pandemia revela as desigualdades nas escolas do Brasil - Plataforma Media

Pandemia revela as desigualdades nas escolas do Brasil

O menino de 13 anos que vendia manga numa feira do Rio de Janeiro tinha a mesma idade da filha de Vanessa Cavalieri, que estuda no mesmo ano.

Mas enquanto a sua filha estava em casa em regime de aulas online, a escola do menino foi interrompida pela pandemia do coronavírus, realçando como a Covid-19 expôs e exacerbou as profundas desigualdades no sistema educacional do Brasil.

“Ele não tem aulas desde 16 de março. Está a ajudar o seu pai a vender frutas em três mercados diferentes”, escreveu Cavalieri, uma juiz de menores, num post de Facebook que se tornou viral.

“Enquanto isso, Valentina está a estudar português, inglês, ciências e matemática online”, disse.

“O abismo da desigualdade entre alunos de escolas públicas e privadas, que já é horrível, só tende a piorar”.

Os destroços que a Covid-19 deixou a caminho da morte de cerca de 150.000 pessoas no Brasil – o segundo maior número de mortos no mundo, depois dos Estados Unidos – não se espalharam igualmente. Atingiu os pobres e as pessoas de cor com mais força neste país sul-americano de 212 milhões de habitantes.

A educação é uma das áreas em que as divisões do Brasil foram mais expostas.

Enquanto pais, professores e legisladores brasileiros lutam com as questões que as escolas enfrentam em todos os lugares – é seguro voltar? O risco para a saúde é pior do que os custos académicos e sociais da quarentena? – eles enfrentam uma camada adicional de complexidade.

Os 48 milhões de alunos do ensino fundamental e médio no Brasil são essencialmente divididos em dois sistemas educacionais diferentes: escolas particulares de elite para os 19% cujas famílias podem pagar, e escolas públicas para o restante.

Com as escolas começando a reabrir lentamente, isso está a froçar algumas conversas desconfortáveis.

“Esta situação não tem sido fácil para ninguém nem para nenhum país, mas as circunstâncias do Brasil tornam tudo ainda mais difícil”, disse Catarina de Almeida Santos, professora de educação da Universidade de Brasília.

“A aprendizagem online para alunos pobres é um conto de fadas. Eles não têm equipamento, conexão à Internet ou recursos familiares”, disse à AFP.

“Nós temos escolas sem água limpa, sem banheiros, sem eletricidade. Mais de 40 por cento não têm infraestrutura de saneamento básico … Se você reabri-las, terá a garantia de um grande aumento nas infecções de Covid.”

Um ano perdido


Como muitos pais, Cinthia Pergola, uma assistente social e mãe solteira em São Paulo, tem se esforçado para continuar os estudos ose seus filhos, enquanto trabalhava diariamente, cozinhava refeições e limpava o apartamento que dividiam com outra família.

Mas ela diz que a sua filha de oito anos e o filho de nove não estão a aprender muito na versão online da escola pública.

“Estou a pensar nisto como um ano sabático, um ano para passarmos tempo juntos”, disse à AFP. “Quanto à aprendizagem, é um fracasso.”

Ainda assim, considera a sua família de classe trabalhadora sortuda, afirmou, enquanto o seu filho estudava no seu MacBook.

“Temos um computador, um telefone celular. Muitas famílias nem têm internet”, explicou.

Juliana Stefanoni Iwamizu, professora do ensino fundamental de uma escola pública de São Paulo, diz que apenas 10% de seus alunos estão a frequentar aulas online.

“Muitos deles moram em favelas, não têm saneamento básico em casa, dependiam da merenda escolar para se alimentar. Então a internet claramente não é uma opção”, sentenciou.

Igual antes do vírus?


Para não dizer que as coisas são perfeitas no sistema de ensino privado, onde o caos e a confusão têm sido a norma.

O sistema privado tem mais recursos, mas até metade das escolas privadas de pequeno e médio porte estão à beira da falência devido ao fecho das mesmas, concluiu um estudo.

Tiveram de inventar programas de ensino à distância à medida que avançavam, muitas vezes com mensagens confusas das autoridades estaduais, locais e da administração do presidente Jair Bolsonaro, de extrema direita.

“Cada escola está usando uma plataforma diferente, regras diferentes, estratégias diferentes para lidar com os alunos”, disse Timmon Vargas, professor de química de 32 anos em três escolas particulares do Rio de Janeiro.

“Nenhum planeamento vem do governo federal … A educação parece ser sua inimiga.”

O caos apenas aumentou à medida que as escolas e funcionários tentam traçar um caminho para a reabertura.

No Rio de Janeiro, por exemplo, escolas particulares foram originalmente programadas para reabrir com rígidos protocolos de saúde a 14 de setembro.

Mas uma enorme batalha legal eclodiu, com informações contraditórias, decisões e anúncios vindos dos governos estaduais e locais, funcionários de escolas, sindicatos de professores e tribunais.

Em decisão de 11 horas, o desembargador Peterson Barroso Simão bloqueou a devolução, por enquanto.

Ele determinou que a reabertura de escolas particulares, mas não públicas, violava o princípio da igualdade perante a lei.

“Isso só contribuiria para aumentar a desigualdade”, disse ele.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
LifestyleMundo

McDonald's e Uber vão incentivar americanos a receber a vacina

BrasilSociedade

Universidade brasileira pede para testar em humanos terceira vacina

EconomiaMundo

"Impacto da pandemia no mundo do trabalho é quatro vezes maior do que foi em 2008"

MundoSociedade

Países africanos defendem produção local de vacinas para evitar atrasos

Assine nossa Newsletter