Coreia do Norte emite ordens de atirar para matar para prevenir vírus, segundo os EUA - Plataforma Media

Coreia do Norte emite ordens de atirar para matar para prevenir vírus, segundo os EUA

Autoridades norte-coreanas emitiram ordens de atirar para matar para evitar que o coronavírus entre no país vindo da China, de acordo com o comandante das forças americanas no sul.

O empobrecido Norte – cujo sistema de saúde em ruínas teria dificuldade para lidar com um grande surto de vírus – não confirmou um único caso da doença que varreu o mundo desde que emergiu na China, o principal aliado do Norte.

Pyongyang fechou a sua fronteira com a China em janeiro para tentar evitar a contaminação e, em julho, a comunicação estatal disse que havia elevado o estado de emergência a nível máximo.

O comandante das Forças Coreanas dos EUA (USFK), Robert Abrams, disse que o fecho da fronteira aumentou a procura por mercadorias contrabandeadas, levando as autoridades a intervir.

O Norte introduziu uma nova “zona tampão, um ou dois quilómetros acima da fronteira chinesa”, disse Abrams numa conferência online organizada pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), em Washington na quinta-feira.

“Eles têm SOF (Forças de Operações Especiais) norte-coreanas lá fora. … Forças de ataque, eles têm ordens de atirar para matar em vigor.”

O fecho da fronteira “acelerou os efeitos” das sanções económicas impostas ao Norte sobre os seus programas nucleares, acrescentou, com as importações da China a cair85 por cento.

O país isolado também está a lutar contra as consequências do tufão Maysak, com os média estatal a relatar que mais de 2.000 casas foram destruídas ou inundadas.

Como resultado, Abrams não esperava ver nenhuma grande provocação de Pyongyang no futuro próximo, embora tenha dito que isso poderia mostrar um novo sistema de armas nas comemorações do mês que vem do 75º aniversário da fundação do partido governante de Kim Jong Un.

“O regime agora – os militares – está focado principalmente em recuperar o seu país e ajudar a mitigar o risco da Covid-19”, disse.

“Não estamos a ver nenhuma indicação agora de qualquer tipo de ataque.”

Mas o CSIS publicou no seu site uma imagem de satélite do estaleiro naval Sinpo South da Coréia do Norte, que os seus especialistas acreditam mostrar atividades que podem indicar preparativos para um teste de um míssil balístico lançado por submarino.

Um novo teste de míssil norte-coreano seria mais um sinal da falta de progresso nas negociações de desnuclearização entre os EUA e Pyongyang, que foram paralisadas apesar de várias reuniões entre Kim e o presidente dos EUA, Donald Trump.

Trump, que busca a reeleição em novembro, foi o primeiro líder dos EUA a se encontrar com um membro da dinastia Kim, que governa a Coreia do Norte desde a sua fundação.

Na quinta-feira, Trump tweetou, sem grandes explicações: “Kim Jong Un está de boa saúde. Nunca o subestimem!”

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MundoPolítica

Especialistas admitem que Coreia do Norte esteja a produzir plutónio

BrasilPolítica

Brasil é o 2º país com mais barreiras de entrada no exterior por conta do coronavírus

BrasilSociedade

Brasil bate recorde e supera EUA em novas mortes por Covid por milhão de habitantes

Mundo

Alemanha adota plano de suspensão progressiva do confinamento

Assine nossa Newsletter