ONU pede a formação antecipada do governo libanês

por Guilherme Rego

O Coordenador Especial das Nações Unidas (ONU) para o Líbano, Jan Kubis, pediu esta terça-feira a formação antecipada de um governo libanês após a renúncia do Primeiro Ministro Hassan Diab e seu gabinete.

Kubis, que informou o Conselho de Segurança numa sessão fechada na terça-feira, enfatizou a importância de evitar um período prolongado de vácuo governamental.
Pediu uma rápida formação de novo governo que atenda às aspirações do povo libanês e tenha seu apoio. Um governo que possa enfrentar os desafios urgentes e muitos que o país enfrenta, romper com as práticas corruptas do passado, disse o seu gabinete.

“Existem necessidades humanitárias imediatas que precisam de ser tratadas e reformas necessárias que precisam de ser realizadas sem qualquer demora para restaurar a confiança do povo libanês e da comunidade internacional no Líbano,” referiu.

O governo libanês renunciou na segunda-feira, após protestos derivados das duas grandes explosões que atingiram o porto de Beirute a 4 de agosto, deixando pelo menos 171 vidas e ferindo milhares.

As explosões mortais também causaram perdas económicas maciças de 10 mil milhões a 15 mil milhões de dólares americanos, de acordo com o governador de Beirute, Marwan Abboud.

“Uma rápida avaliação dos 55 centros de saúde primários nas áreas da explosão mostra que cerca de 35 por cento sofreram danos moderados a graves”, disse Stephane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU, António Guterres.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância relatou que uma avaliação educacional mostra que cerca de 20 escolas técnicas foram danificadas.
Uma dúzia de países e organizações internacionais expressaram solidariedade e simpatia com o Líbano pelas explosões mortais, com ajuda a ser enviada de emergência para o país do Médio Oriente.

Os membros do Conselho de Segurança reiteraram a sua solidariedade e forte apoio por meio de assistência humanitária urgente e compromisso da comunidade internacional com o Líbano e o seu povo, de acordo com um comunicado à imprensa.

A Organização Mundial da Saúde disse que um carregamento de 18 toneladas de equipamento de proteção individual chegou a Beirute na terça-feira.

O Programa Mundial de Alimentos está a distribuir 5.000 cestas básicas para famílias afetadas no Líbano. Cada pacote de alimentos básicos como arroz, macarrão, óleo, açúcar, sal e pasta de tomate é suficiente para alimentar cinco pessoas durante um mês.

Uma conferência de angariação de fundos apoiada pela ONU e sediada pela França, no domingo, já recebeu mais de 290 milhões de dólares em promessas.
O Líbano recebeu nos últimos dias doações de vários países, incluindo China, Rússia, França, Catar, Egito, Jordânia, Bahrein, Grã-Bretanha e muitos outros.

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!