Amazon, Apple, Alphabet e Facebook à lupa - Plataforma Media

Amazon, Apple, Alphabet e Facebook à lupa

A pandemia trouxe graves consequências económico-financeiras para as empresas. No entanto, companhias como a Amazon, Alphabet (Google), Facebook e Apple, registaram lucros acima da média.

Esta quinta-feira, as quatro empresas – Amazon, Apple, Alphabet e Facebook – registaram lucros na ordem dos 28 mil milhões de dólares americanos. Considerando o impacto negativo da pandemia, os resultados foram bastante saudáveis.

Quarta-feira, o congresso norte-americano questionou os CEO’s Jeff Bezos (Amazon), Tim Cook (Apple), Mark Zuckerberg (Facebook) e Sundar Pichai (Alphabet)  sobre o seu poder no mercado e práticas comerciais. Foi parte de um inquérito de reguladores e legisladores sobre o domínio que os gigantes tecnológicos têm no mercado. Em conjunto, as companhias representam 5 biliões de dólares americanos.

Facebook:

Apesar de toda a controvérsia na queda dos anúncios e esforços financeiros para monitorização dos discursos de ódio, o Facebook parece crescer sem ser afetado pela pandemia. A receita no segundo trimestre aumentou 11% em relação ao ano anterior, para US $ 18,7 mil milhões, enquanto os lucros aumentaram 98%, para US $ 5,2 mil milhões. Os resultados ficaram bem acima das estimativas dos analistas de US $ 17,3 mil milhões em receita, com lucro de US $ 3,9 mil milhões, de acordo com dados fornecidos pela FactSet.

Apesar do crescente escrutínio dos orgãos reguladores, das perguntas sobre seu papel na subversão das eleições e de como as pessoas usam a plataforma para espalhar informações erradas, nem usuários nem anunciantes mostraram uma tendência no desuso do Facebook.

Atualmente, mais de três bilhões de pessoas acedem regularmente ao Facebook ou uma das suas famílias de aplicativos, já que os serviços são transversais em grande parte do mundo desenvolvido. E cerca de 2,47 mil milhões de pessoas usam um ou mais aplicativos do Facebook todos os dias.

A empresa também confirmou que o número de utilizadores cresceu em 12% relativamente ao ano passado a um ano atrás.

Amazon:

Mesmo com as dificuldades económicas acrescidas a nível de consumo, dado que a pandemia afetou e muito o poder de compra, as compras online na Amazon resultaram em US $ 88,9 mil milhões em vendas trimestrais, um aumento de 40% em relação ao ano anterior. O lucro duplicou, para US $ 5,2 mil milhões, apesar de a empresa ter investido na expansão de armazéns e outras estruturas de forma a aumentar a capacidade produtiva.

“Simplificando, o Covid-19, na nossa opinião, injetou na Amazon hormonas de crescimento”, disse Tom Forte, analista do banco de investimentos D.A. Davidson & Company, escreveu numa nota recente aos investidores.

Em abril, Bezos disse aos investidores para não esperarem lucro operacional, e talvez até uma perda, pois a empresa planeava gastar cerca de US $ 4 mil milhões em despesas relacionadas com o coronavírus. Despesas como aumentos temporários nos salários, declínio na eficiência do armazém por causa do distanciamento social e US $ 300 milhões para testar a sua força laboral durante a pandemia.

Mas mesmo esses custos não se compararam ao crescimento explosivo na procura, com as vendas no departamento online a aumentar 48%.

Num comunicado à imprensa, a Amazon recusou-se a falar sobre um possível bónus ou aumentos salariais dos funcionários durante ou após a pandemia. No entanto, salientou que as despesas relacionadas à pandemia caíriam para US $ 2 mil milhões no trimestre.

Apple:

Apesar da desaceleração económica global, as pessoas continuaram a apostar na compra de dispositivos da Apple em massa.

A Apple disse que as vendas aumentaram 11%, para US $ 59,7 mil milhões, e que os lucros aumentaram 12%, para US $ 11,25 mil milhões. Os dois números superam facilmente as expectativas dos analistas, com Wall Street prevendo quedas nas duas áreas.

As vendas foram particularmente fortes para iPads e computadores Mac, pois o teletrabalho passou a ser uma realidade para muitos trabalhadores. A receita também aumentou nos negócios de serviços de Internet, que incluem o corte de vendas da Apple na App Store, objeto de investigações “antitrust” nos Estados Unidos e na Europa.

Até o iPhone, que continua a ser o produto mais vendido da empresa, teve um ligeiro aumento nas vendas, apenas pela segunda vez nos últimos sete trimestres.
A Apple também anunciou um desdobramento de ações na quinta-feira que quadruplicaria o número, permitindo que as pessoas comprassem uma ação da empresa por um quarto do preço atual das ações, que fechou em US $ 384,76 na quinta-feira.

Alphabet:

A empresa-mãe da Google, Alphabet, relatou o seu primeiro declínio na receita trimestral, afetado por uma desaceleração da publicidade por outras empresas. A empresa registou receita de US $ 38,3 mil milhões e lucro de US $ 6,96 mil milhões – significativamente superior ao que os analistas de Wall Street tinham previsto.

Ruth Porat, diretora financeira da Alphabet, disse que a receita de publicidade “melhorou gradualmente” com o decorrer do trimestre. O declínio veio em grande parte da queda nas vendas de anúncios que são executados ao lado dos resultados das pesquisa no Google, mas os esforços da empresa para diversificar os negócios renderam, à medida que a receita dos anúncios do YouTube e os negócios de computação em nuvem aumentaram.

Pichai disse que a empresa teria que aprender a conviver com as investigações. “O escrutínio vai continuar por aqui. Estamos comprometidos a trabalhar com essa nova realidade”, disse.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
FuturoLifestyle

Apple oficializa apresentação do novo Apple Watch e iPad, mas iPhone tem de esperar

MundoSociedade

Primeira decisão judicial na batalha Apple-Epic Games dá empate

Economia

Pandemia castiga Google e Facebook, alavanca Apple e Amazon

Mundo

Google, Facebook, Apple e Amazon criticadas no Congresso dos EUA. "Têm demasiado poder"

Assine nossa Newsletter