PAULA CARION LUTA POR TERCEIRA MEDALHA - Plataforma Media

PAULA CARION LUTA POR TERCEIRA MEDALHA

 

Recuperada de uma lesão do joelho que sofreu no início do ano, Paula Carion sente-se em grande forma para os Jogos Asiáticos de Incheon, onde vai lutar para trazer para Macau uma terceira medalha da competição em karaté. 

 

Paula Carion já participou duas vezes nos Jogos Asiáticos, trazendo sempre para casa medalhas – uma de bronze conquistada em Doha, no Qatar, na categoria feminina de kumité +60kg, e outra de bronze conseguida em Cantão na categoria feminina de kumité +68kg , e não quer que este ano seja diferente.

“Todas as vezes que compito, o meu objetivo é ganhar uma medalha, mas não consigo prever de que cor ela será, porque o karaté não é um desporto em que competimos contra um tempo ou um recorde”, disse em declarações ao Plataforma Macau.

Este ano, Paula Carion, de 31 anos, que treina cerca de 18 horas por semana, contou com um treinador especialista em aptidão física e diz sentir-se “muito preparada para os Jogos” de Incheon. “Tive uma lesão do joelho no início do ano, por isso não participei em competições mais pequenas com a minha equipa, mas estou agora completamente recuperada e acredito que a minha experiência poderá compensar pelo facto de não ter ido a essas competições”, concluiu.

É do Irão e do Japão que são os principais rivais de Carion e, por isso, a atleta esteve no último mês a treinar na capital iraniana de Teerão.

Tinha nove anos quando começou a praticar karaté por acaso e hoje as nove medalhas que conquistou contrariam a sua tese de infância de que as artes marciais não são para raparigas.

“Comecei a praticar karaté-do em 1991, quando vivia em Toronto, no Canadá. Um dia a minha família e eu passámos por um centro comunitário que tinha várias atividades e aulas para crianças e a minha irmã escolheu desenho e eu karaté”, recordou a atleta ao Plataforma Macau.

Curiosamente, uns anos antes, quando Paula Carion tinha uns quatro ou cinco anos, o pai tentou ensinar-lhe wing chun (uma arte marcial chinesa). “Mas eu recusei e disse ‘não, as meninas não devem fazer coisas dessas’”, contou.

Hoje, o pai é um dos seus grandes fãs e o primeiro sensei (professor) de Carion foi Dicky Chow, originário de Hong Kong.

Em 1997, a atleta de Macau participou pela primeira vez numa competição local e subiu logo ao pódio com uma medalha de bronze de kumité ao peito. Um ano depois, em novembro de 1998, representou Macau no 4.º campeonato asiático júnior de karaté-do e conquistou a prata na categoria de kumité para raparigas de 15 anos.

Em novembro de 2005, Paula Carion atinge um momento alto da sua carreira ao vencer a medalha de ouro na quarta edição dos Jogos da Ásia Oriental realizados na sua terra natal: Macau.

Oito atletas de karaté, dos quais três com experiência em Jogos Asiáticos, vão a Incheon com as cores de Macau.

 

Patrícia Neves

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter