PROFESSOR ACUSA UNIVERSIDADE DE MACAU DE RESCISÃO POLÍTICA - Plataforma Media

PROFESSOR ACUSA UNIVERSIDADE DE MACAU DE RESCISÃO POLÍTICA

 

Bill Chou, professor de Ciência Política da Universidade de Macau, acusou esta semana a instituição de não lhe renovar o seu contrato por ser um ativista político pró-democracia.

No dia 13 de agosto, o professor foi informado pela instituição da não renovação  mas, disse, sem qualquer tipo de justificação por parte da instituição. Em dezembro de 2013, um mês depois de se ter tornado membro da maior associação pró-democracia do território, a Associação Novo Macau, a universidade instaurou-lhe um processo disciplinar, que resultou numa suspensão por 24 dias sem salário.

Citado pela Lusa, Chou disse não ter dúvidas que o contrato terminou por estar envolvido em causas pró-democráticas na região administrativa chinesa: “Acredito que está relacionado com o meu ativismo político”.

Segundo Chou, a justificação que lhe foi dada na altura foi a de que impunha a sua ideologia política aos alunos. “Mas nunca me apresentaram qualquer prova disto”, comentou.

Em junho, o reitor da universidade, Wei Zhao, garantiu que as declarações políticas dos professores não eram motivo para processos disciplinares.

O reitor falou aos jornalistas à margem de uma conturbada cerimónia de final de curso, em que uma aluna foi retirada à força do local depois de ter erguido um cartaz com uma mensagem a pedir o fim da perseguição aos académicos.

Wei Zhao disse, então, que nenhum funcionário “foi ou será” alvo de processo disciplinar por causa de “declarações políticas junto da comunidade”.

O reitor afirmou também que mais professores tinham sido acusados de violar regras internas. “Posso afirmar categoricamente que nós definimos uma regra, que exigimos que todos os professores, todos os académicos, sigam no local do trabalho. Ele [Bill Chou] não é o primeiro, nem é o único sujeito a processo disciplinar”, declarou em junho.

Entretanto, o docente já avançou com uma queixa à Direção dos Serviços para os Assuntos Laborais, acusando a universidade de discriminação política.

Além disso, Chou pretende também avançar com um processo judicial contra a instituição de ensino mas remete pormenores sobre o processo para depois do final do contrato. A não renovação do contrato de Bill Chou surge num momento em que a liberdade académica do território tem sido posta em causa.

Em junho, outro professor de Ciência Política, Éric Sautedé, foi despedido sem justa causa pela Universidade de São José (que pertence à Fundação Católica, uma instituição fundada pela Universidade Católica Portuguesa e pela Diocese de Macau) devido aos comentários que fazia no espaço público sobre a política local.

Os motivos foram então assumidos publicamente pelo reitor da Universidade de São José, o padre Peter Stilwell.

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter