Rússia força ucranianos a lutarem do seu lado

Human Rights Watch acusa Moscovo de crimes de guerra enquanto agência da ONU aponta para o ataque a ONG em Kherson.

por Gonçalo Lopes

As ações russas na guerra com a Ucrânia foram denunciadas no mesmo dia pelo Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) e pela organização não-governamental Human Rights Watch (HRW). A primeira condenou a política russa de atacar organizações humanitárias; já a segunda aponta para o “crime de guerra” que é a prática contínua de forçar civis dos territórios ocupados a lutar contra o exército do seu próprio país.

“As autoridades russas forçam aberta e ilegalmente os homens nas áreas ocupadas da Ucrânia a lutarem contra o seu próprio país”, disse Hugh Williamson, diretor da HRW para a Europa e Ásia Central. “Menos visível é a sua prática de pressionar os civis ucranianos detidos, que não têm onde se esconder ou fugir, a juntarem-se às forças russas.”

A HRW chegou à fala com três ucranianos presos em Donetsk que, além das condições indignas de encarceramento – sem aquecimento, nem água corrente -, queixam-se de pressão crescente para se voluntariarem. Uma advogada de um dos reclusos contou à ONG que quem recusa é torturado e, em resultado, muitos acabam por ceder e são enviados diretamente para a frente. Esta prática configura um crime de guerra. “Pressionar os ucranianos a lutarem contra o seu próprio país é depravado e ilegal”, considerou Williamson. O direito humanitário internacional proíbe que uma parte num conflito armado obrigue os residentes dos territórios que ocupa a servirem nas suas forças armadas.

Leia mais em Diário de Notícias

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!