Líder de grupo de ultradireita é indiciado por invasão ao Capitólio

Líder de grupo de ultradireita é indiciado por invasão ao Capitólio

O líder dos Oath Keepers, um dos principais grupos de ultradireita dos Estados Unidos, e outras dez pessoas foram indiciadas por sedição e conspiração pela invasão ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021, anunciou nesta quinta-feira (13) o Departamento de Justiça

Stewart Rhodes, de 56 anos, que fundou em 2009 e dirige o grupo extremista, e outros dez integrantes foram detidos nesta quinta-feira.

Tratam-se das acusações mais graves apresentadas contra os participantes da invasão ao Capitólio que visava impedir que a vitória de Joe Biden nas eleições fosse certificada.

Nove deles já estavam sendo processados por “conspiração para delinquir” e afetar um processo oficial, ou por atos violentos, o que implica certo grau de coordenação.

A acusação de “sedição”, que pode levar a uma condenação de até 20 anos de prisão, vai além. Implica ter conspirado contra o governo ou uma de suas leis, uma dimensão muito mais política.

Além disso, a comissão parlamentar encarregada de esclarecer os acontecimentos daquele dia anunciou nesta quinta-feira que vai convocar os responsáveis por quatro redes sociais: a empresa-mãe do YouTube (Alphabet, que controla o Google), a do Facebook (Meta), o Reddit e o Twitter. 

Os investigadores querem saber “como a disseminação da desinformação e do extremismo violento contribuíram para o ataque violento contra nossa democracia” e que medidas as empresas tomaram, se houver, para evitar que suas plataformas se tornassem terreno fértil para a radicalização.

“Guerra civil”

Dois dias após a eleição de 3 de novembro de 2020, Stewart Rhodes declarou em uma conversa criptografada com outros membros de seu grupo: “Não podemos sair disso sem uma guerra civil”, segundo a ata de acusação.

Antes de 6 de janeiro, Rhodes “se associou” com alguns de seus colegas “para impedir a transferência pacífica do poder”, sobretudo “usando a violência”.

Os membros do Oath Keepers “organizaram transportes de todo o país até Washington, se equiparam com todo tipo de armas, vestiram uniformes de combate e estavam prontos para responder ao chamado às armas de Rhodes”, destaca o documento.

No momento do ataque, este ex-militar reconhecível por seu tapa-olho estava perto do Capitólio, mas não é certo se ele entrou no edifício.

Além de Rhodes, a força pública deteve na quinta-feira, no Arizona, outro integrante do grupo radical: Edward Vallejo, de 63 anos.

Conspiração mundial

Essa organização paramilitar altamente descentralizada tem milhares de membros, de acordo com a Liga Antidifamação (ADL), que luta contra o antissemitismo e o racismo.

O Oath Keepers se opõe ao governo federal, que acusa de colaborar com uma conspiração global para privar os cidadãos americanos de seus direitos, em particular o de possuir armas.

A organização recruta principalmente soldados, policiais, bombeiros e membros dos serviços de emergência, que juraram proteger a Constituição dos Estados Unidos “contra seus inimigos estrangeiros e domésticos”, segundo a ADL.

Quando entram no grupo, eles também prometem desobedecer a qualquer ordem de um “governo tirânico” que viole a Constituição, como “desarmar os americanos” ou impor a lei marcial ao país.

Integrantes do Oath Keepers, vestidos com uniformes militares e armados, ganharam mais visibilidade em 2020 ao participar de protestos contra restrições impostas em alguns estados para conter a pandemia do coronavírus. 

Também foram vistos à margem das grandes manifestações antirracistas que abalaram o país para, de acordo com eles, proteger os comércios de saques.

O grupo ecoou teorias da conspiração como a existência de um “estado profundo” dentro do governo dos Estados Unidos que quer estabelecer uma “nova ordem mundial”.

Desde o dia do atentado, mais de 725 pessoas, incluindo membros dos grupos de extrema-direita Proud Boys, Oath Keepers ou Three Percenters, foram detidas por sua participação nos eventos.

Related posts
Lifestyle

Adele chora ao cancelar espetáculos em Las Vegas devido ao Covid

ChinaPolítica

Pequim protesta contra presença de navio militar dos EUA no Mar da China

ChinaHong Kong

Ativista pró-independência Edward Leung libertado

MundoPolítica

Blinken pede que Putin escolha 'via pacífica' durante visita à Ucrânia

Assine nossa Newsletter