Governo são-tomense promete novo salário mínimo - Plataforma Media

Governo são-tomense promete novo salário mínimo

O Governo são-tomense vai apresentar nova proposta de salário mínimo nacional em janeiro de 2022, segundo um memorando assinado com a maior central sindical do país que suspendeu a greve prevista para sexta-feira, foi hoje anunciado.

Após mais de cinco horas de negociação que terminou esta noite na sede do Governo, os responsáveis da Organização Nacional do Trabalhadores de São Tomé e Príncipe (ONSTP) e o Governo, representado pelo ministro das Finanças e o ministro do Trabalho, assinaram um memorando de entendimento onde alguns pontos do caderno reivindicativo “ficaram para serem resolvidos com prazos e outros serão resolvidos de imediato”.

 “Nós sentimos que ganhámos desde o momento que houve abertura para o diálogo. Portanto, nesse momento a nossa posição é suspender a greve. Vamos fazer seguimento do memorando assinado e no memorando está explicito: caso houver incumprimento do praza entraremos imediatamente em greve”, explicou o secretário-geral adjunto da ONSTP, Arlindo Castro.

Atualmente o salário mínimo da função pública são-tomense é de 1.100 dobras (cerca de 45 euros), mas a ONSTP propôs ao Governo o aumento para cerca de quatro mil dobras (160 euros) já a partir de janeiro de 2022, apesar de o Governo ter já introduzido o Orçamento Geral do Estado para 2022 no parlamento.

 “Também estávamos a espera que, uma vez que o Governo estava com o caderno reivindicativo desde o mês de setembro, nos traria também uma proposta, mas acontece, porém, que o Governo apresentou a desculpa que o ministro [das finanças] entrou há pouco tempo,” lamentou, o responsável sindical.

Albertino Castro realçou que a ONSTP aceitou a justificação do Governo porque “na negociação há sempre alguma flexibilidade”, mas, entretanto, “ficou a nota no memorando que no prazo máximo de 30 dias o Governo terá que sentar com a Central, com a sua contraproposta”, para “uma decisão de implementação do salário mínimo ao nível da função pública”, sob pena da ONSTP recorrer novamente a greve.

“Com relação ao subsídio de férias também houve consenso”, acrescentou, destacando que “é um direito previsto na lei”, mas o Governo defendeu a criação de um regulamento a ser aprovado pelo executivo para a sua implementação.

Segundo o represente sindical houve consensos para implementação imediata dos outros pontos relativos a higiene e segurança no trabalho, subsídio de maternidade e promoção dos funcionários públicos, entre outras questões.

“O Governo mostrou-se sensível com a nossa proposta, tanto é que o Governo disse que está disponível a trabalhar connosco neste sentido. Neste encontro não ouvimos um não. Só ouvimos que há abertura para negociação,” precisou Albertino Barros.

Durante a tarde o primeiro-ministro já havia assegurado a abertura para analisar a possibilidade de aumento do salário mínimo, mas advertiu que a situação económica do país não é favorável.

“Há muitas coisas que nós não conseguimos, há anos, quando nós estávamos em melhores condições, portanto vamos [analisar] caso a caso e é isso que nós estamos a fazer, mas com toda a serenidade, sem populismo, vendo a realidade”, explicou o chefe do Governo.

Jorge Bom Jesus disse hoje que “está a ser equacionado” o pagamento do décimo terceiro mês aos funcionários públicos e garantiu o pagamento do subsídio às 16 mil famílias vulneráveis.

“Estamos a equacionar tudo isso, até porque não seria diferente, porque nem há antecedentes. Este Governo entrou no dia 3 de dezembro de 2018 e logo no primeiro ano conseguiu honrar esse compromisso difícil,” recordou Jorge Bom Jesus, referindo que “além do pagamento do salário há uma serie de outras mil despesas que o Governo tem que fazer”.

Jorge Bom Jesus garantiu também que “vai ser resolvido” o atraso de pegamento de salários do mês de novembro à alguns setores do Estado.

“O que se passa, é que muitas das vezes, a dinâmica de arrecadação de receitas nem sempre é aquela que é desejável. Nós vamos lutando neste mar daquilo que é possível,” justificou o chefe do Governo.

O chefe do Governo avançou que “outro dinheiro que vai entrar no mercado são [para] as famílias vulneráveis”, no valor de 1.800 dobras (cerca de 70 euros) financiados pelo Banco Mundial para apoiar bimestralmente 16 mil famílias são-tomenses.

“Não estou a ver o Governo a deixar esse povo e, sobretudo, os funcionários públicos passarem as festas de natal sem dinheiro. Vamos fazer tudo o que temos feito até agora durante estes três anos e este último não será diferente”, garantiu Jorge Bom Jesus.

Related posts
BrasilSociedade

Motoristas de ônibus confirmam greve a partir de hoje

São Tomé e PríncipeSociedade

Urgência de São Tomé "não reúne condições para atendimento"

PolíticaPortugal

Bruxelas lamenta falta de acordo no Conselho sobre salários mínimos

EconomiaPolítica

Governo português quer aumento de cerca de 40 euros no salário mínimo em 2022

Assine nossa Newsletter