Entenda por que animes agora lotam os streamings - Plataforma Media

Entenda por que animes agora lotam os streamings

De 2002, quando “One Piece” teve seu primeiro volume publicado no Brasil, a 2021, quando a animação estreou seu milésimo episódio —neste sábado, em transmissão simultânea mundial pelo streaming Crunchyroll—, uma geração de fãs acompanhou a saga como pôde.

Matheus Mendonça, 33, se entusiasmou pela turma de piratas que protagoniza a história há quase 20 anos, quando comprou o gibi em uma banca de Recife. Na mesma época, Felipe Montes, 36, derramou a primeira lágrima de emoção no trajeto da ponte Rio-Niterói ao concluir o primeiro capítulo do quadrinho do qual hoje é o tradutor no Brasil.

Mas enquanto no Japão, até hoje, os otakus, fãs de animes e mangás, podem adquirir toda semana uma revista e acompanhar as HQs-folhetim —e “One Piece” sai em uma dessas desde 1997—, no Brasil, muitas histórias chegavam tarde demais para o ritmo da internet.

“É difícil ver pessoas da minha idade que não tenham entrado em contato com anime e mangá pela via da pirataria“, diz Montes. Depois de ler o que havia da série no Brasil, ele, que estudava japonês, comprou os mangás na língua original antes de partir para os meios não-oficiais para assistir a série a partir de 2003. Essa paixão rendeu até a tradução de alguns capítulos de forma amadora, os “scans” —feita sobre páginas escaneadas, em péssima qualidade.

Já quem queria acompanhar a animação recorria aos “fansubs”, legendas criadas pelos fãs. Mendonça, conhecido na internet como Matheus “Joy Boy”, alimenta o canal All Blue no YouTube há nove anos, onde traz desde análises semanais dos capítulos de “One Piece” até leituras dramáticas para mais de 340 mil inscritos.

Leia mais em Folha de S. Paulo

Assine nossa Newsletter