Grupo de defesa dos direitos LGBT encerra na China - Plataforma Media

Grupo de defesa dos direitos LGBT encerra na China

A organização não-governamental LGBT Rights Advocacy China anunciou que vai encerrar todas as atividades e contas nas redes sociais.

“Lamentamos profundamente dizer a todos que vamos interromper todo o nosso trabalho, indefinidamente”, anunciou o grupo na sua conta oficial na rede social WeChat, que encerrou, assim como a do Weibo, as duas plataformas mais utilizadas na China.

Um membro da ONG citado pela agência noticiosa Associated Press (AP) sob condição de anonimato, por motivos de segurança, confirmou que todas as atividades do grupo foram encerradas, mas não quis dizer porquê.

O grupo trabalhou em todo o país em defesa dos direitos dos homossexuais e aumentou a consciencialização sobre a comunidade.

Os seus membros defendiam a legalidade do casamento entre pessoas do mesmo sexo e lutavam contra a discriminação no local de trabalho, ajudando indivíduos a processar os seus ex-empregadores.

O Ministério dos Assuntos Civis indicou, esta sexta-feira, que lidou com 3300 organizações sociais ilegais, de acordo com a agência noticiosa oficial Xinhua.

O ministério também fechou cerca de 200 portais e contas individuais nas redes sociais, que não estavam registadas com nenhuma entidade governamental.

Não é claro se o grupo foi encerrado devido à campanha do governo.

O grupo mencionou há alguns meses que estava em dificuldades, disse um ativista LGBT, que conhece os fundadores da ONG e que também falou à AP sob condição de anonimato. Os advogados que ajudaram o grupo com os casos também pararam de trabalhar nessa altura.

O LGBT Rights Advocacy China foi cofundado por Peng e outro ativista chamado AQiang, em 2013, e concentrou os seus esforços em garantir os direitos legais para homossexuais por meio de ações judiciais estratégicas.

Leia mais em Jornal de Notícias

Assine nossa Newsletter