Pós-moratórias é o "elefante na sala" dos bancos portugueses -

Pós-moratórias é o “elefante na sala” dos bancos portugueses

A Agência de ‘rating’ Fitch defendeu esta sexta-feira que a gestão do período pós-moratórias será o “elefante na sala” dos bancos portugueses, considerando insuficientes as medidas do Governo de apoio à reestruturação de créditos.

Segundo analistas da Fitch, num encontro com jornalistas, a solução do Governo de apoio a créditos que ficam sem moratórias “chegou tarde”, o apoio envolvido é “moderado” e o acesso ao regime é complexo, pelo que a agência de ‘rating’ considera que “não tem a certeza se este apoio é um ‘game changer’ [se fará a diferença]” no período pós-moratórias.

Os bancos a operar em Portugal tinham, no final de agosto, 36,3 mil milhões de euros de créditos cobertos por moratórias (suspensão de capital e/ou juros). A grande maioria desses créditos tiveram de começar a ser pagos no final de setembro (quando acabaram as moratórias), nomeadamente créditos à habitação e créditos de empresas.

No caso de créditos de empresas dos setores mais afetados pela pandemia que tenham de ser reestruturados, o Estado vai garantir 25% do crédito, tendo disponibilizado uma linha de 1.000 milhões de euros. Esta medida tem levantado críticas quer das empresas quer da banca, nomeadamente por os créditos reestruturados serem marcados como uma reestruturação normal, com implicações tanto para empresas como para a banca.

Segundo o analista Rafael Quina, nos próximos trimestres o “elefante na sala” dos bancos será mesmo o modo como será gerido o fim das moratórias, após um período tão longo de tempo em que milhares de clientes não pagaram os empréstimos aos bancos.

Para a Fitch, os bancos mais vulneráveis, em termos de capital e de ativos problemáticos, são o Novo Banco e o Montepio, enquanto BCP, Caixa Geral de Depósitos (CGD), BPI e Totta estão numa posição mais confortável.

Analisando o sistema bancário português, a Fitch considera que hoje os bancos estão mais resilientes face há alguns anos, e que têm um modelo de negócio mais rentável, mas que continuam muito sensíveis à evolução da taxa de juro, considerando ainda que o modelo de negócio é ainda muito tradicional e que deveriam diversificar mais as atividades.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Assine nossa Newsletter