Início Atualidade Ao completar um ano da explosão em Beirute, papa promete visita

Ao completar um ano da explosão em Beirute, papa promete visita

Acidente matou 200 pessoas e causou muitos danos

Em sua primeira audiência geral, após cirurgia no intestino há um mês, o papa Francisco disse nessa quarta-feira (4), quando completou um ano da explosão em Beirute, ter grande vontade de visitar o Líbano.

O papa, de 84 anos, que parecia em forma e improvisou partes do discurso, também desejou sucesso aos esforços do presidente francês, Emmanuel Macron, para arrecadar mais de US$ 350 milhões em ajuda ao Líbano, em uma conferência de doadores, e fez novo alerta para sua classe política em conflito.

A enorme explosão química no Porto de Beirute matou 200 pessoas e custou bilhões de dólares em danos.

Francisco, que se pronunciou no salão de audiências do Vaticano, disse que muitos no Líbano, que é atingido por uma depressão financeira e enfrenta sua pior crise social em 30 anos, perderam “até a ilusão de viver”.

Os doadores deveriam ajudar o Líbano “em um caminho de ressurreição”, disse, pedindo “gestos concretos, não só palavras”, porque muitos que perderam lares e empregos estão cansados e desiludidos.

“Queridos libaneses, meu desejo de visitá-los é grande. E não me cansarei de orar por vocês para que o Líbano volte a ser uma mensagem de irmandade, uma mensagem de paz para todo o Oriente Médio”, afirmou.

Em sua primeira audiência geral, após cirurgia no intestino há um mês, o papa Francisco disse nessa quarta-feira (4), quando completou um ano da explosão em Beirute, ter grande vontade de visitar o Líbano.

O papa, de 84 anos, que parecia em forma e improvisou partes do discurso, também desejou sucesso aos esforços do presidente francês, Emmanuel Macron, para arrecadar mais de US$ 350 milhões em ajuda ao Líbano, em uma conferência de doadores, e fez novo alerta para sua classe política em conflito.

A enorme explosão química no Porto de Beirute matou 200 pessoas e custou bilhões de dólares em danos.

Francisco, que se pronunciou no salão de audiências do Vaticano, disse que muitos no Líbano, que é atingido por uma depressão financeira e enfrenta sua pior crise social em 30 anos, perderam “até a ilusão de viver”.

Os doadores deveriam ajudar o Líbano “em um caminho de ressurreição”, disse, pedindo “gestos concretos, não só palavras”, porque muitos que perderam lares e empregos estão cansados e desiludidos.

“Queridos libaneses, meu desejo de visitá-los é grande. E não me cansarei de orar por vocês para que o Líbano volte a ser uma mensagem de irmandade, uma mensagem de paz para todo o Oriente Médio”, afirmou.

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!