Crise alerta para a importância da educação financeira, dizem especialistas - Plataforma Media

Crise alerta para a importância da educação financeira, dizem especialistas

Aprender como guardar e investir recursos ganha ainda mais relevância diante do impacto no orçamento familiar.

A pandemia de Covid-19 atingiu em cheio a saúde financeira dos brasileiros. Segundo pesquisa Datafolha, quase metade da população (46%) viu sua renda cair no ano passado, o que levou a um outro problema também agravado durante a crise sanitária: o endividamento.

De acordo com uma pesquisa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), o percentual de pessoas endividadas no país alcançou o maior patamar em abril de 2021. Após subir pelo quinto mês consecutivo, o índice chegou a 67,5% das famílias, mesmo número registrado em agosto de 2020, quando foi recorde.

Em um cenário de comprometimento do orçamento familiar, a importância da educação e do planejamento financeiro é ainda maior, como argumentam os especialistas que participaram do seminário Saúde Integral promovido pela Folha na segunda-feira (31), com patrocínio da SulAmérica.

Para Gabriela Chaves, economista e fundadora da NoFront, plataforma de educação financeira voltada para a população negra e periférica, aprender a organizar os próprios recursos faz muita diferença em momentos de crise, especialmente entre os mais pobres.

Ela cita exemplos de ex-alunos da plataforma que deram início a um planejamento financeiro e conseguiram guardar dinheiro pela primeira vez na vida, o que os ajudou a reduzir os efeitos da desaceleração econômica.

“Existe uma massa de pessoas que foi muito impactada pela pandemia, sobretudo os trabalhadores informais e da área de serviços, que tiveram queda de renda expressiva em um momento em que produtos essenciais estão mais caros. Nesse contexto, a educação financeira é importante para trazer um horizonte de possibilidade para essas pessoas”, diz.

Segundo ela, saber como controlar as despesas de forma eficiente é algo que deveria ser visto, inclusive, pela perspectiva da saúde mental.

“A maior parte da população vive numa escassez muito grande, o que gera uma ansiedade permanente. São pessoas que vendem o almoço para pagar a janta. O conhecimento financeiro funciona como redutor dessas angústias. À medida que elas entendem as ferramentas disponíveis, seus direitos, a quem podem recorrer, a relação com o próprio dinheiro muda. Sai de um lugar de ansiedade para um lugar de responsabilidade.”

Leia mais em Folha de S.Paulo

Related posts
SociedadeTimor-Leste

UE, Timor e ONG analisam integração de alterações climáticas no currículo escolar

MacauSociedade

DSEDJ: Cantonês defendido e redução de turmas no ensino infantil

PortugalSociedade

Professores querem programas curtos, apoio aos alunos e tempo para recuperar matérias

MacauSociedade

Gestão hoteleira: IFT é 30ª melhor universidade do mundo

Assine nossa Newsletter