Chega critica "milhões" gastos em carros, tapetes e vinho para presidência da UE - Plataforma Media

Chega critica “milhões” gastos em carros, tapetes e vinho para presidência da UE

O presidente do Chega, André Ventura, acusou esta quarta-feira o Governo de gastar “milhões de euros” em carros e tapetes de luxo, vinho e fatos para os motoristas por causa da presidência portuguesa da União Europeia.

Em Guimarães, onde participou na apresentação da candidatura de Adão Henrique Pizarro à Câmara local, André Ventura defendeu que aquele dinheiro deveria ser investido em centros de saúde, em meios para as forças policiais, na recuperação de estradas e na reabilitação urbana.

“Como é que podemos ter um Governo que gastou em tapetes, em vinho e em carros de luxo para a presidência portuguesa da União Europeia não foram milhares, foram milhões de euros, e dizem-nos que não têm dinheiro para atribuir centros de saúde à região norte, como há muito tempo deverias estar atribuídos?”, referiu.

No mesmo tom, Ventura disse que o Governo “tem dinheiro para gastar milhões em fatos para os motoristas que os levam na presidência da União Europeia mas não tem dinheiro para dar o mínimo de dignidade a muitas das estradas destruídas e à reabilitação urbana que há muto tempo deveria estar feita em Portugal”.

Para André Ventura, Portugal “está a perder a sua dignidade” e o Chega tem a “enorme responsabilidade de restituir ao país essa dignidade perdida”.

“Vamos recuperar a dignidade da nossa nação e devemos lutar muito, muito, muito por esta nação que ainda é nossa”, afirmou.

Disse ainda que neste momento “não há no país um único partido que não tema” o Chega.

“No início, olhavam para o Chega como aquilo que nunca ia dar nada. Depois, passaram de ignorar a ameaçar e de ameaçar a hostilizar. E agora todos nos temem, todos”, enfatizou.

Disse que, “de repente, o sistema começou a tentar enforcar” o Chega, mas garantiu que o partido “nunca perderá a sua alma”.

Para André Ventura, o Chega “não é um partido de protesto”, mas sim um partido para governar.

“Não nascemos para protestar, nascemos para governar, para mudar a vida das pessoas”, acrescentou.

O candidato do Chega à Câmara de Guimarães afirmou que a sua prioridade é tirar a maioria ao PS, que governa o município.

Apontou a juventude e a habitação como prioridades, adiantando ainda que, se ganhar a Câmara, irá pôr cobro ao “compadrio, ao amiguismo e ao clientelismo” que considera estarem instalados no município de Guimarães.

Adão Henrique Pizarro tem 62 anos, é empresário reformado e já foi presidente da direção dos Bombeiros Voluntários de Guimarães e membro do Conselho Municipal de Segurança.

Related posts
EconomiaPolítica

Bruxelas dá ok a PRR "robusto" com nota máxima para controlo de fraude

MundoSociedade

Companhias áreas reivindicam fim de restrições no verão na UE

MundoPolítica

Ministros do Ambiente da UE discutem estratégia de adaptação às alterações climáticas

MundoPolítica

Parlamento Europeu aprova certificado covid-19

Assine nossa Newsletter