"Impacto da pandemia no mundo do trabalho é quatro vezes maior do que foi em 2008" - Plataforma Media

“Impacto da pandemia no mundo do trabalho é quatro vezes maior do que foi em 2008”

Diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder, esteve no Porto para a cimeira social europeia e analisou os efeitos da covid-19 nos trabalhadores, identificando as mulheres, os jovens e as pessoas com baixos rendimentos como os mais afetados.

Como é que a pandemia causada pela covid-19 está a afetar as classes trabalhadoras na Europa, e também no resto do mundo?

Bom, nós tentamos aliviar os efeitos da pandemia no mundo do trabalho, mas o que posso dizer é que o impacto no mundo do trabalho é quatro vezes maior do que foi em 2008 com a crise financeira. O que é que isto significa? Significa que, de acordo com os nossos estudos, o mundo perdeu o equivalente a 255 milhões de empregos a tempo inteiro no ano passado. Isso não quer dizer que o desemprego tenha aumentado em 255 milhões, na verdade, o desemprego global subiu em 33 milhões. Há 81 milhões de pessoas que saíram do mercado de trabalho e que se tornaram inativas e as restantes trabalham menos horas, no limite não têm horário de trabalho, mas mantêm-se na sua relação de emprego. Se somarmos tudo, chegamos aos 255 milhões que não têm emprego a tempo inteiro – quatro vezes mais do que o que aconteceu em 2008. Em relação às pessoas que trabalham, o rendimento do trabalho caiu em 8,3%. Assim, as pessoas perderam muito com a pandemia.

Vê grandes diferenças entre as várias categorias de trabalhadores, entre os clássicos colarinhos brancos e colarinhos azuis, quem trabalha nos serviços e quem trabalha na indústria?

Em primeiro lugar, o impacto tem sido extremamente desigual para as diferentes categorias de trabalhadores. Assim, as mulheres foram mais duramente atingidas do que os homens; os jovens também foram muito duramente atingidos – é um drama a que devemos prestar mais atenção – e as pessoas com baixos rendimentos foram mais atingidas do que as que têm rendimentos mais elevados. Portanto, se fizer essa distinção entre colarinhos brancos e azuis – não é uma distinção de que nós falemos – há uma coisa que é clara: as pessoas que, pelo trabalho que faziam, tiveram a capacidade de se ajustarem, de fazerem trabalho remoto, de mudarem a forma como trabalhavam, correspondem grosso modo aos trabalhadores de colarinho branco.

Leia mais em Diário de Notícias

Related posts
EconomiaMacau

Jogo em Macau regista em maio recorde de receitas desde início da pandemia

MundoSociedade

Segundo ano da pandemia causa mais mortes, alerta OMS

MacauSociedade

Medidas contra pandemia em Macau devem continuar de forma “rigorosa”

CulturaLusofonia

Livro junta 75 escritores lusófonos sobre a pandemia para promover português

Assine nossa Newsletter